categorias: Vida de Mãe

Informações sobre as Vacinas contra Meningite

Olá queridas m@es!
Hoje vou falar um pouquinho sobre as duas novas vacinas para meningite que foram recentemente licenciadas no Brasil: Meningocócica ACWY e Meningocócica B (licenciadas em Fevereiro e Maio de 2015, respectivamente).
Esse é um assunto que tem gerado muita discussão no nosso grupo do Facebook e no consultório, e é de fato muito importante ser bem esclarecido.
O Meningococo (bactéria Neisseria meningitidis) é um dos mais importantes causadores de infecções bacterianas invasivas no mundo, especialmente meningites, septicemias, podendo também determinar pneumonias, artrites sépticas, pericardites e conjuntivites.
Existem 12 sorogrupos de Meningococos, e 6 deles respondem pela grande maioria das infecções em todo o mundo: A, B, C, W, Y e X.
Desde 2010 foi introduzida na rotina do Programa Nacional de Imunizações a vacina Menincocócica C conjugada, que é aplicada gratuitamente pelo SUS aos 3, 5 e 12 meses.
A vacina Meningococo B é conhecida internacionalmente como BEXSERO, e só está disponível nas clínicas particulares. Ela representa importante avanço na prevenção da doença meningocócica, e a SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) sugere a adoção do esquema proposto a seguir:
informacoes-sobre-vacina-meningite
Sugestão para colocação no esquema rotineiro de vacinação:
3 meses: Meningocócica C conjugada e Meningocócica B
5 meses: Meningocócica C conjugada e Meningocócica B
7 meses: Meningocócica B
12 a 15 meses: Uma dose de reforço – Meningocócica conjugada ACWY (ou Meningocócica C conjugada); e Meningocócica B
Doses de reforço adicionais da Meningocócica conjugada ACWY: uma dose entre 5 e 6 anos (ou 5 anos após a última dose recebida depois de 12 meses de idade) e outra no início da adolescência.
Crianças e adolescentes já vacinados com Meningocócica C conjugada após 1 ano de idade podem, a critério médico, receber a vacina ACWY, não sendo necessário respeitar intervalo específico em relação à dose anterior de Meningocócica C conjugada.
Como já foi dito acima, esse é o esquema vacinal sugerido pela SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), porém por se tratar de uma vacina licenciada recentemente no Brasil, ainda há muita discussão entre pediatras; sobretudo pelo fato de não existirem ainda estudos de eficácia com a vacina do Meningoco B, apenas estudos de imunogenicidade.
Os eventos adversos mais comuns observados após a aplicação da vacina foram febre, às vezes alta, principalmente nas primeiras 6 horas, irritabilidade, sonolência e dor local. Um estudo empregando Paracetamol como profilaxia dos eventos adversos (no momento da vacinação e duas doses subsequentes) reduziu consideravelmente a incidência da febre, sem interferência na imunogenicidade dos componentes vacinais.
Enfim, a intenção aqui foi apenas expor as novidades e a sugestão da SBIm, mas lembrem-se que o mais importante sempre é conversar com o pediatra do SEU FILHO!
Um beijo!
flavia-mariano-120x120 Dra. Flávia Mariano
 Pediatra e Neonatologista
 CRM: 127.047 
 e Mãe da Gabi, de 4 anos.
FONTE: SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e CEDIPI.
Foto de capa: Shutterstock

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

2 comentários

  1. RAFAEL

    A minha pergunta, é , se realmente essas vacinas são algo de muita importância para nossos filhos? Se é muito importante, como fazem as nossas crianças que não tem condições de pagar essas vacinas?
    Obrigado

  2. Aiko

    Seu blog foi o mais esclarecedor para mim sobre esse assunto até o momento. Mas ainda tenho uma dúvida sobre essas vacinas, mas o pediatra da minha filha não foi muito claro.
    Ela tem 1 ano e até está em dia com as vacinas da rede pública. Fui orientada pelo pediatra agora a dar as vacinas contra meningite ACWY, meningite B e pneumo 13. Minha dúvida é, quantas doses dessas vacinas ela deve tomar, já que está com um ano?
    Dúvida adicional: É importante vacinar uma criança de 7 anos com essas vacinas também?
    Agradeço muito se puder me esclarecer!
    Abraço!