categorias: Mãe da Semana

Pitti Leão – Mãe da semana

Como quase todas as mães da semana, quando vi a mensagem da Renata, fiquei emocionada, feliz e tensa e ao mesmo tempo. Aceitei na hora. E aí já comecei a pensar… “Ai meu Deus, o q vou escrever?”

Depois de mil textos que escrevi na minha cabeça, chegou a hora de colocar no papel.

Bom, meu nome é Fernanda mas a maioria das pessoas me conhece por Pitti. É meu apelido desde pequena. Fernanda só era usado qdo minha mãe estava brava… Tenho 1,50m e sempre fui “pititinha”… Pitti veio daí. Tenho 37 anos, sou casada e tenho 2 filhos, Rafael 7 anos e Joaquim 4 anos.

Me formei em arquitetura e urbanismo mas nunca exerci. Trabalhei muitos anos em agência de design e hoje trabalho com personalização, festas e gifts corporativos na empresa que abri com uma amiga. Sou católica e conheci o Edu na igreja, na verdade conheço ele desde que eu nasci… Começamos a namorar com 16 anos e eu era muito nova e muito ciumenta… Terminamos 4 vezes e na última vez ficamos 2 anos separados. Nunca perdi o contato com a família dele e isso era pior… mas com ele, encontrei algumas poucas vezes nesse tempo. Fiquei mal, deprimida, namorei outros, me recuperei e mudei muito. Me tornei mais segura e menos possessiva. E então nos reencontramos e resolvemos tentar de novo.

Deus já tinha pensado na nossa vida juntos, mas eu precisava dar umas cabeçadas pra ser uma pessoa melhor… Hoje eu enxergo assim. Namoramos mais uns 3 anos e finalmente casamos, no dia 07/07/07. A família toda estava em festa, pois torciam muito por nós! Com 9 meses de casada engravidei do Rafa. Foi uma surpresa, nada programado. No início ficamos bem preocupados, o apartamento ainda nem estava pronto… Tinha planos de viajar, curtir… mas logo a alegria tomou conta de nós. O Rafa nasceu e quando estava com 2 anos já queríamos ter outro. Engravidei de novo, e veio outro moleque, o Joca.

Logo que o Rafa nasceu, comecei a ficar em crise com meu trabalho, pois exigia muito de mim, saía tarde, trabalhava finais de semana…. Eu deixava ele as 8h e pegava as 20h já de banho tomado e muitas vezes dormindo. Nesse tempo, me juntei com uma amiga que tinha trabalhado comigo numa agência e resolvemos montar a nossa empresa. Ela me ajudou a prepaparar tudo e na festa de 1 ano do Rafa, nasceu a Papel de Pano. Montamos um blog, escolhemos o nome e começamos. Mas eu não podia me dar ao luxo de largar tudo e entrar nessa, então fiquei por um bom tempo trabalhando mais ainda… jornada tripla. Durante o dia na agencia e nas madrugadas e finais de semana dividindo entre a Papel de Pano e a família. Foi um “investimento” bem sacrificante, mas valeu a pena. Começamos em 2009 e quando o Joca nasceu em 2011, tomei coragem e pedi demissão. Aí poderia me dedicar mais à minha empresa e estar mais presente em casa, na educação dos meninos. Não que seja fácil trabalhar em casa, mas eu precisava tentar, pois a empresa estava indo super bem e era a minha chance de poder conciliar as 2 coisas: maternidade e trabalho.

Quando o Joca tinha 10 meses, eu eu o Edu resolvemos fazer uma loucura! Vendemos o nosso apartamento, compramos uma casa velha caindo aos pedaços e resolvemos construir a nossa casa. Hoje quando penso, não sei como tive coragem. Guardamos todas as nossas coisas na garagem do irmão do Edu e fomos morar com minha sogra, num apê pequeno de 2 quartos. A obra atrasou e depois de 1 ano mudamos p/ o apartamento da minha avó que estava vazio. Mais um ano turbulento se passou…. muito trabalho, muitos problemas, atrasos, o $$ acabou, o empreiteiro largou a obra… etc. A obra iniciou em novembro de 2012 e só em fevereiro de 2015 conseguimos mudar! A vida agora finalmente começaria a entrar nos eixos de novo. Os meninos mais velhos e mais independentes… e sem grande parte das preocupações da casa nova. Mas, parece que ainda não era hora de descansar. No início de março desse ano, o Edu sofreu um acidente de moto, foi grave, mas ele ficou bem… com a perna bem inchada e o punho quebrado. Gesso até o ombro por 60 dias e risco de ter q fazer uma cirurgia. E uma semana depois, no dia 10 de março, o Rafa foi internado com suspeita de leucemia. Meu mundo caiu… me culpei muito pelo período da obra em que demos pouca atenção pros meninos. Achei q a culpa era minha, que eu tinha sido relapsa, tinha deixado passar… Como eu não percebi antes? Como??? Foram 5 dias intermináveis de internação e no fim a doença foi confirmada. Ele estava mesmo com leucemia. Estava muito no início e isso era ótimo. Ele nem teve sintomas. E a chance de cura é alta… 80%. Mas que mãe não pensa nos 20% que não cura?? Me lembro da sensação de querer acordar… Parecia um pesadelo, que não era verdade. Não era possível… meu filho, com câncer… eu olhava pra ele e só conseguia imaginar como seria minha vida sem ele. O Joca, tadinho… tive q deixar na casa dos tios todos esses dias, ele sem entender muito bem o que estava acontecendo, com saudades, preocupado… O Rafa… um santo, super alto astral, só me lembro dele perguntando: “Mamãe, mas pq eu tô internado se eu me sinto bem?” E eu sem saber o que responder…. E o Edu… com a perna inchada, muitas dores e o braço engessado. Em repouso comigo no hospital. Foi relamente um pesadelo. Deus me carregou no colo, também me lembro da sensação de paz que sentia mesmo no meio desse turbilhão… eu rezava muito, acordava todas as madrugadas para rezar. Eu sempre fui muito revoltada, com tudo e todos… sempre reclamei demais das coisas, da vida. Mas Deus me concedeu de aceitar a doença do Rafa. Simplesmente aceitar. Nunca perguntei porquê… nunca me revoltei, de verdade… aceitei, e isso virou a minha vida… o tratamento e a cura do Rafa. Consegui ser forte para conversar com ele, explicar, passar tranquilidade, e acompanhar em cada quimio, cada exame, cada injeção … dia e noite. Tenho um carinho muito especial pelo 4moms, pois tive muito apoio e ajuda. Indicações de médicos, palavras de conforto, mensagens de quem já passou por isso… As mensagens me ajudavam demais. Li TODAS, e foram muitas nos vários posts q fiz… Vi uma corrente de orção pelo Rafa e até na Africa, tinha uma mom rezando por ele. E uma mom em especial que é nosso anjo da guarda, a Juliana Pepe Marinho, enfermeira do GRAACC q me deu todo o suporte pra Rafa conseguir se tratar no GRAACC. Marcou a consulta pra mim e foi me receber no meu 1º dia de GRAACC. Quanto carinho, quanto amor, de uma pessoa que eu nunca tinha visto na vida. Ela foi também, no 1º dia de quimio do Rafa, explicar pra ele do cabelo que ia cair, pegou a veia, colocou a medicação, com tanto amor, que tô aqui feito uma boba escrevendo e chorando.

Hoje o Rafa está bem, está terminando o último ciclo de quimios, e se Deus quiser, entrará na manutenção agora em dezembro. O tratamento está indo bem, ele responde bem aos medicamentos e tem poucos efeitos colaterais. Deus nos dá forças a cada dia, pois entrar no GRAACC não é nada fácil. E o pior é que a gente conhece as outras mães, conversa, se apega e vê tantas crianças partindo… tantas histórias tristes… Tem os casos de cura também, que nos alegram demais, mas saber da morte dessas crianças é difícil demais. E o caso do Rafa é ótimo perto do que vejo por lá. É uma experiência única, mas não desejo pra ninguém. Sou muito melhor hoje, mais humana, mais solidária, mais preocupada com o próximo. E agora estou assim… mãe fulltime, cuidando do Rafa: acompanhante, enfermeira, amiga, confidente, saco de pancada…. cuidando do Joca que está super carente e chorão, e que sofre muito de ver o irmão passando por tudo isso, e sofre tambem um suposto “abandono” por termos que dar tanta atenção pro Rafa.

Eu e o Edu estamos bem, mas com aquele peso nos costas e preocupação constante que não nos deixa relaxar. E sem trabalhar, pois abandonei meu trabalho em março e minha sócia/irmã/amiga ficou cuidando de tudo sozinha. Agora estou começando a retomar um pouco e minha expectativa pro ano que vem é de uma vida nova.

Eu era: profissional, organizada, sem jeito com crianças, achava que minha vida era corrida

Depois da maternidade, eu sou: feliz, completa, louca, bagunçada, sem tempo pra nada

Como descobriu a primeira gravidez: atrasou e fiz teste de farmácia

E a segunda: fiz muitos testes de farmácia, pq queria engravidar e não conseguia… um belo dia, voltando de férias, passamos um susto na estrada de madrugada e chegamos em casa muito agitados… não conseguíamos dormir… tenho certeza que esse foi o dia da concepção do Joca!

Pretende ter outros: sim, queria muito uma menina

Trabalha: Sim,na maioria das vezes em casa. Outras vezes no atelier, em compras ou em montagens de eventos.

Babá ou escola? Escola e a empregada ajuda durante a semana. Mãe, sogra, tios aos finais de semana… pq as vezes trabalho nos finais de semana, esse é o lado mais difícil de trabalhar com festas

Por que optou por isso: prefiro q eles estejam com a família, não digo que nunca terei, mas não gosto muito de babá.

Melhor distração: viajar, ver filmes, seriados, novelas, corrida

Ícone: minha mãe e meu pai! Brigamos tanto qdo eu morava com eles, mas hoje q sou mãe entendo como é difícil. E vejo o qto ela se desdobra pra me ajudar. Esteve ao meu lado o tempo todo qdo eu mais precisei. E meu pai, com suas poucas palavras mas q sempre me ensina tanto e está sempre presente. Amo demais!

Ser feliz é: ter saúde, ter os filhos com saúde

Horas de sono por noite: 5 / 6

Um programa inesquecível: as férias do ano passado, no Vale Suíço… foram poucos dias mas inesquecíveis… e todas as minhas luas de mel com meu marido… que tentamos fazer 1 x por ano

Uma dica para as futuras mães: aproveitem pra dormir agora… pq depois… never more e façam exames de sangue períodicos nos seus filhos, se informem pq o câncer infantil muitas vezes é silencioso mas ele existe e acontece muito mais do que imaginamos. Odeio ter q falar isso pras pessoas, eu mesma nunca quis nem ler sobre cancer infantil, e não sabia q um dos sintomas da leucemia era as manchas roxas no corpo. E foi o único sintoma q o Rafa teve.

Pitti x Pitti: não sei muito falar de mim, mas sempre me achei fraca, incapaz de lidar com o sofrimento e hj me sinto mais confiante, pois tenho certeza q na hora certa Deus nos dá a força q precisamos


pitti1 pitti2 pitti3 pitti4 pitti5 pitti6 pitti7

pitti8

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

4 comentários

  1. Vivian Barbour

    Pi, que emoção ler a historia de vcs assim, desde lá no comecinho. Não há dúvidas de que Deus faz bem as coisas! Pra mim essa família linda é um exemplo de vida, no qual eu busco inspiração! Um abraço bem apertado!

  2. Iigor Zapata

    Pitti:
    Um grande abraço pra ti e tua familia, nos ajuda muito saber tua historia e tuas percepções da vida ;porque só assim muitas vezes conseguimos compreender o sentido da nossa vida .

    Me ajuda e muito; tua coragem ,tua fortaleza e tua historia de vida .
    Que Nossa Senhora te guie nas tribulações.
    Abraços

  3. Marcelle Luz

    Meu Deus. Meu Deus. Não consigo imaginar meus filhos passando por isso. Vejo que Deus dá o frio conforme o cobertor. Parabéns Pitti a você e seu marido e toda a família, pela vitória! Meu coração se encheu de emoção ao ler sua história…. Estou no trabalho agora, e a vontade que deu foi sair correndo pra casa abraçar meus filhos!! Como precisamos aproveitar cada momento, cada minuto com eles, e às vezes na prática, isso é tão difícil de acontecer…. Obrigada por me fazer repensar no que realmente importa, através da sua história. Deus continue agindo através do RAFA e da sua cura! Um beijo carinhoso em toda família!!!

  4. Hellen

    Que história! Pitti você é guerreira! Parabéns pela conquista! Sua vida, sua família é uma verdadeira conquista! Admirável toda sua história!