categorias: Mãe da Semana

Claudia Crespin – Entrevista

Para a minha grande surpresa, eu uma noite de domingo, recebi o convite para ser a Mãe da Semana. Minha pergunta foi:  Mas a Bê já foi a mãe da semana? E para a minha grata surpresa a resposta foi: Vocês são 2 mães e queremos saber a sua visão! Mesmo com um super frio na barriga, aqui estou eu.

Para chegar até aqui, percorri um longo e nem sempre fácil caminho…

Sou a caçula de 3 irmãos, a única mulher de uma família judaica, isso quer dizer, a menininha do papai.

Tive que crescer a força pois, meus pais ficaram muito doentes simultaneamente, desde os meus 14 anos e lamentavelmente, perdi meu pai aos 17 e minha mãe aos 21 anos.

Então me vi completamente sozinha cheia de medos, dúvidas, sonhos e incertezas…

Fui morar sozinha não por opção, mas tive que entrar em contato com tudo isso de forma intensa!  Ufa só de lembrar  é complicado!

A única certeza q eu tinha, era que eu tinha vindo nesta vida para ser mãe.

Terminei meu curso se Pedagogia,  fiz Pós em Psicomotricidade e Psicopedagogia. Dei aula na pré-escola, atendi em consultório e depois de um longo caminho, me encontrei  quase  fazendo um trabalho 100% voluntário, pois tinha dó das crianças que não podiam pagar o tratamento. Nas minhas buscas, acabei no mundo da moda que sempre fui apaixonada e, era cobrada por pessoas da família e amigos que sempre achavam ser meu verdadeiro caminho.

Durante esta caminhada, encontrei a Be, que bagunçou de vez minha história. Por que?  Eu sempre namorei meninos e nunca tinha me imaginado ao lado de uma mulher mas, os nossos caminhos se cruzaram de uma forma arrebatadora que fez eu mudar minha vida completamente. Uma coisa que quem me conhece sabe, é o fato de eu nunca fugir das situações, sempre buscar a verdade, e assumir o que sinto, de bom ou ruim. E então me deparei com a maior dúvida da minha vida, o que seria do meu sonho de cinderela, de entrar na sinagoga vestida de noiva, e de formar a minha família tão sonhada? Desde os meus 6 anos eu dizia que eu teria gêmeos…

Mas e aí, como encaixar estes sonhos em uma relação com uma mulher?  Minha família me conhecendo como eu sou, sabia que eu iria sempre atrás da minha verdade e, sempre tive muito apoio de todos, mesmo que este não tenha sido o sonho deles pra mim ( Na verdade, nem o meu até aquele momento). E depois de um longo e intenso mergulho interno, resolvi me dar a chance de viver aquela minha nova realidade com a mesma intensidade e verdade que sempre fiz com tudo na minha vida. A Bê sempre teve a ideia de ser mãe, o que facilitou muito o nosso relacionamento mas, a ideia dela era adotar um menino. Eu disse a ela, primeiro vamos tentar eu engravidando, porque sempre tive o sonho de sentir minha barriga crescer e, meus filhos mexerem, e caso não rolasse, a adoção também seria minha 2ª opção.

Com 11 anos vivendo juntas e tendo vivido grandes momentos, achamos que era  a hora. Combinamos que faríamos tudo em absoluto sigilo, e fomos fazer o FIV. Como o meu problema não era nada hormonal ou de fertilidade, tive uma produção absurda de óvulos  que desenvolveu uma super estimulação dos ovários. Com isso, não pudemos fazer o FIV com os óvulos frescos, tive que esperar 2 ciclos menstruais e, esperar diminuir meu ovário porque tinha risco deles explodirem caso eu engravidasse. E assim foi, depois deste balde de água fria,fizemos o nosso primeiro FIV (colocamos 3 embriões por conta da minha idade), e nossos BBS  tão desejados vieram!!! O Beta deu super alto e, a médica falou para a Bê que poderiam ser até 4 BBS! Oi?  Como assim 4 BBS?  Foram os 20 dias mais doidos das nossas vidas.  Mas no meio do caminho, no dia do meu aniversário, comecei a ter um sangramento super severo que me fez temer até um pouco mais do 3 mês pela vida dos meus BBS.  Foram inúmeras idas ao hospital com um sangramento assustador que, eu escutava que eles temiam  mais ainda pela minha vida. Eu nunca rezei e meditei tanto em toda a minha vida. Minhas meninas nasceram, Muito, piticas, frágeis e bem diferentes de tudo que eu imaginava. Mile com 1.475 e Bibi com 0,990, tendo chegado a 0,780 nos dias seguintes. Foram 2 meses de UTI Neonatal, de um aprendizado muito maior do que apenas ser mãe!  A volta pra casa também não foi a planejada e sonhada, foi doida, assustadora, revoltante e amarga. Eu entrei em depressão, tive um medo absurdo, muito maior mesmo do que a própria Bê possa imaginar, de perder minhas meninas…

Mas elas são guerreira, fortes, abençoadas e resolveram encher a minha vida de luz e amor! Hoje, são minha razão de viver…

Nestes poucos mais de 3 anos, muita coisa aconteceu, elas mostraram o quanto querem ficar aqui conosco, elas se recuperaram graças a Deus e, hoje são 2 crianças super  felizes, alegres, que fazem as nossas vidas terem sentido, e propósito!

O que quase ninguém sabe, é que em meio a tudo isso, eu desenvolvi um medo terrível de perder minhas filhas que, me desestabilizou completamente! É horrível ir dormir quase 2  da manhã todos os dias e ficar indo ao quarto delas verificar se estão bem e, quando durmo, a qualquer respiro mais forte, eu pular da cama…

Mas estou trabalhando isso e agradeço muito a este grupo por tanto apoio, trocas, carinho, orações e amizade com o Quarteto!

Um Bjo gde

Clau

Eu era: Imediatista

Depois da maternidade eu sou:  Estou aprendendo ainda  que tudo tem seu tempo certo… Ai que difícil!

Como descobriu a gravidez: Com o FIV é tudo monitorado por todos, olhamos o resultado do Beta no computador.

Pretende ter outros:  Vontade não me falta, tenho 15 embriões congelados de excelente qualidade, mas nos dias de hoje, acho difícil! Mas adoraria ter mais…

Trabalha: Sim, tenho uma Oficina de Costura e sou voluntária na Make A Wish Brasil.

Em caso positivo, onde ficam as crianças: Na escolinha. Meu horário de trabalho de reduziu por conta de levar e buscar as meninas.

Por que optou por isso: Como não temos com quem deixá-las, colocamos as meninas em uma escola perto do nosso trabalho mesmo que mais longe de casa, e voltamos todas juntas. Não vemos a hora de mudarmos para perto do trabalho…

Melhor distração: Sem dúvidas, acompanhar o desenvolvimento das minhas filhas bem de pertinho e, poder assisti-las brincarem juntas, me realiza!

Ícone: Meu saudoso Pai que chegou do Egito aos 16 anos sem dinheiro e sem saber falar uma palavra em Português e, se transformar em um super  homem DO BEM! Não conheço ninguém mais honesto e digno que ele. E Minha Amada mãe, que abandonou a família em outra cidade, para acompanhou meu pai na arte de criar nossa família de forma tão linda e ser a minha primeira e maior MELHOR AMIGA!

Ser feliz é:  Receber os melhores abraços e beijos de bom dia todos os dias e,  ter saúde para poder ver minhas filhas crescerem saudáveis e felizes!

O maior sonho: Me tornar avó e poder fazer com minhas filhas e netos tudo que eu sei que meus pais amariam fazer conosco!  E que eu sinto uma super  falta!

Horas de sono por noite: Com muita sorte umas 5… zzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Uma dica para as futuras mães: Quando chegarem em casa com seus BBS, façam com que eles durmam sozinhos. Por conta dos severos refluxos que as minhas apresentavam, sempre fazíamos dormir, estávamos sempre por perto e sofremos MUITO até hoje por isso.  E outra dica fundamental que faria minha vida ser bem melhor é, arrumar uma hora para cuidar de mim, desde a maternidade, só vivo literalmente por e para elas.

Uma receita infalível para os pequenos: Não criar filhos que são diferentes e tem necessidades diferentes, da mesma forma. No meu caso de gêmeas, este é um exercício diário mas,  que tem dado certo!

Um programa inesquecível: Sem dúvida a primeira vez  que elas entraram no mar, que nâo foram as primeiras vezes na praia, porque o pediatra não liberava mas, quando elas entraram no mar foi demais! E faziam com as mãozinhas… Vem ondinha, vem ondinha… Aiiiiiiiiiiiiiiiiii…

A viagem perfeita com os pequenos:  A 1ª. Vez  na Disney, onde comemoramos o 3 aniversário delas. Magia total que ecoa até hoje…

Claudia x Claudia: Realizada como mãe, que precisa aprender a achar um tempo para me cuidar, que ama a vida, a família os amigos e viajar… E um ponto a ser trabalhado é o meu  ¨sincericídio¨!!!

entrevista- claudia-crespim

entrevista- claudia-crespim-1 entrevista- claudia-crespim-2
entrevista- claudia-crespim-3entrevista- claudia-crespim-4
Gostou?
Então conheça a outra Mãe dessa família aqui! (clique)

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

2 comentários

  1. Adriana Masili

    Amei amei amei!! Clau, ler tudo isso atraves dos seus olhos é maravilhoso!!! Amo muito esse quartetto!!!❤️❤️❤️

  2. Sharonn

    Adorei!!!!! Parabéns pela vida que construiram juntas e muitas felicidades