categorias: home, Mãe da Semana

Amanda Lancman

 

Primeiro, não posso deixar de agradecer a Renata e a Kiki, duas fofas que de uma idéia tornaram a vida de 5000 mães mais fácil e menos angustiante. O 4moms com certeza me ensinou em 1 ano coisas que eu não teria aprendido em uma vida, e me tornou uma pessoa melhor. Adoro e não sei viver sem, com crises de abstinência quando entro no avião para ir ao Brasil!

 

Tenho 29 anos, moro em Oklahoma City nos EUA, mãe da Julia (1 ano e 10 meses), stay-at-home-mom (uma mãe que fica em casa como dizem as americanas, prefiro muito mais do que dona de casa)rsrsrs. Me mudei para os Estados Unidos com 18 anos, para fazer faculdade. Estava super confusa com o que fazer na época e achei uma ótima oportunidade de unir o útil (estudos) ao agradável (namorado que tinha ido morar fora para acabar a faculdade). Acabei me formando em moda, mas acabei nunca exercendo. Hoje tenho certeza que não é o que quero fazer e gostaria muito de me profissionalizar como fotógrafa, mas resolvi esperar mais um pouquinho para me dedicar integralmente à Julia. Conheci meu marido ainda na escola e estamos juntos à 13 anos. Sempre tive a certeza de que era com ele que queria estar e ter uma família.

 

Nos casamos em 2007 mas eu era nova e nem pensava em ter filhos. Curtimos bastante, viajamos muito, mas depois de 2 anos começou a bater aquela vontade de ser mãe. Começamos a tentar e 8 meses depois, estava grávida! Foi tão esperado, tão “treinado” que quando o teste deu positivo eu tinha certeza que estava errado! Mas depois da confirmação com ultrasom, tudo foi muito tranqüilo. Tive uma gravidez “exemplar”, minha médica até me chamava de chata nas consultas porque eu não tinha nada, não tive enjôos, muito pouca azia, tudo tranqüilo.

 

Tinha muito medo de engravidar nos EUA pela parte médica da coisa. Sempre ouvi histórias muito ruins de médicos que tinham esperado até o último minuto, deixado a mulher e o bebê sofrendo, que forçavam o parto normal até o fim, e tinha uma mentalidade super pequena nesse sentido. Tive muita sorte com a minha médica que sempre foi muito querida e me passou total confiança, tanto que quando começou a chegar perto da hora da Julia nascer ela veio me dizer que se eu quisesse poderíamos fazer uma cesárea (ela sabia que a taxa de cesárea era super alta no Brasil e uma das minhas primeiras perguntas à ela foi se ela tinha qualquer coisa contra cesárea eletiva, olha o medo que eu tinha!). Ela falou que a melhor opção era tentar o parto normal, que era o melhor para mim e a bebê, principalmente porque estava tudo correndo bem. Quando estava de 39 semanas, resolvemos induzir o parto por questões práticas (minha família chegando nos EUA e ela tinha um congresso no fim de semana e eu queria que ela fizesse meu parto). Tudo correu super bem e hoje em dia eu sou super bandeira parto normal (dentro das possibilidades de cada gestação, e de preferência com anestesia e medicamento).

 

Hoje eu nem lembro como era a minha vida antes de ser mãe, mas tenho certeza que era vazia e muito ociosa! Minha filha chegou para fazer do meu mundo um lugar doce, colorido (com muito cor de rosa) e muito mais feliz! Amo cuidar dela em tempo integral e já estou sofrendo que daqui 1 mês ela começa ir à escolinha 1x por semana.

 

Eu era: Muito estressada, perfeccionista ao extremo (beirando a loucura) e obcecada com a organização da casa

Depois da maternidade, eu sou: Muito mais feliz, muito mais tolerante, e muito mais desencanada com problemas e pessoas, fora que minha casa agora é uma bagunça!

Como descobriu a gravidez: Teste de farmácia

Pretende ter outros: Sim, mas não sei quando ainda. A Julia nos deu muito trabalho dos 6 meses até 1 ano e pouquinho, e com certeza não é uma experiência que eu quero ter tão cedo novamente

Como é criar um filho em outro país: Eu amo! Ela está sendo exposta a duas culturas ao mesmo tempo, desde bebê, e ainda assim pegando o melhor de cada uma. Fora que não tenho preocupação excessiva com violência, preços exorbitantes de escola, trânsito, e todos os problemas que uma cidade como São Paulo oferece (principalmente porque moro numa região muito tranqüila dos EUA).

Trabalha: Não

Por que optou por isso: Já não trabalhava antes da Julia nascer, então preferi ficar grudada esses primeiros anos, mas logo quero fazer alguns cursos de fotografia, que amo.

Melhor distração: 4moms com certeza! Estou sempre consultando o “oráculo”, tentando ajudar aquelas que estão passando por momentos difíceis e ver as novidades do mundo infantil! Essa mulherada sabe TUDO (e mais um pouco).

Ícone: Meus pais, que sempre me deram as asas que eu preciso para voar, e o ninho para voltar.

Ser feliz é: estar ao lado da minha família todos os dias, vendo a Julia desenvolver e crescer.

 O maior sonho: a felicidade da Julia. Que ela tenha uma vida completa e cheia de sentido, e que ela seja muito, muito feliz. E que eu possa sempre estar do lado dela para viver tudo isso.

Horas de sono por noite: 8-9h, depois de 8 meses acordando muitas vezes a noite a Julia finalmente passou a dormir a noite toda com 1 ano e 4 meses e desde então dorme bastante.

Que horas curte o marido: Depois que a Juju vai para a cama e nos fins de semana, agora que nossa rotina esta bem estabelecida e eu (finalmente!!!) achei uma babysitter em quem confio, voltamos a fazer programas a dois, vamos ao cinema, saímos para jantar e namorar bastante.

Uma dica para as futuras mom´s: Deixe sempre o coração e a intuição de mãe falar mais alto. Sempre digo para aqueles que tem muita opinião sobre a criação da minha filha que é muito fácil criar o filho dos outros. Ser mãe é um dom e uma missão, e tenho certeza que nossos filhos foram escolhidos a dedo para cada uma de nós.

Uma receita infalível para os pequenos: Rotina, rotina e rotina (e rotina)! Achava frescura, mas quando me dei conta que era isso que estava faltando na vida da Juju, tudo mudou. Ela se tornou uma criança muito mais tranqüila, parou de dar trabalho para dormir e a nossa vida é mais organizada e por incrível que pareça temos até mais tempo para sair e curtir.

Um programa inesquecível: Hoje em dia é levá-la ao zoológico (ela AMA dar “papa pra girafa”) e parquinho aquático, o verão americano é muito quente e ela ama água

A viagem perfeita com os pequenos: A Disney com certeza! Levamos a Juju quando ela tinha 1 ano e 4 meses porque tínhamos que ir para a Florida para um outro compromisso e ficamos só 3 dias, mas ela AMOU! Curtiu muito e já pretendo voltar o ano que vem!

Amanda X Amanda: perfeccionista (mas não mais ao extremo), muito exigente com si mesma, mas com o coração super mole para os outros. Me redescobri como mãe e mulher depois do nascimento da Julia e tem sido uma jornada intensa, mas com certeza muito mais divertida e que eu não trocaria por nada. 

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

6 comentários

  1. Fabiola Donato Trevisan Thamer

    Nossa Amanda, nos conhecemos no happy e nem sabia tudo isso. Amei sua estoria !!
    Beijos

  2. Adriana Masili

    Amanda!! Amei sua história, jamais vou esquecer a frase que não tive dos meus pais, mas posso dar aos meus filhos: “Asas para voar e um ninho para voltar!! Obrigada por ensinar isso! Vc tem razão, ser mãe é um dom, uma missão!! Parabéns pela família linda! Bjsss

  3. Eloisa Soares Ueno

    Amanda, adorei a sua estória! principalmente a parte da criação dos nossos filhos…concordo plenamente! Ninguém os conhece mais do que as mães!!!
    Parabéns pela família!!!
    beijos

  4. Júlia Ramos

    Amanda, que demais, admiro muito mulheres que conheceram seus maridos ainda na adolescência, acho que é o amor mais puro, e que fica!!! Parabéns!!! Quero conhecer minha xarazinha!!! Bjus

  5. Renata Cantáfio

    Essa MOM tive a oportunidade de conhecer pessoalmente no nosso almoço JAPA!
    Adorei ler sua estória de vida!
    Você é uma querida!
    Beijo grande

  6. Priscila Harari Goldstajn

    Querida, adorei ter te conhecido e adorei agora saber um pouco mais sobre você!!
    Concordo super com você que ser mãe é um dom e uma missão!!
    Linda sua história, e linda sua familia!! :)
    bjosssss