Posts publicados

categorias: Mãe da Semana

Michele F. De Luca – Entrevista Mãe da semana

Era tarde… E quando eu finalmente consegui fazer a minha pequena dormir (Acreditem, não é fácil, rs) aparece na janelinha do face a Renata Costa (sou sua fã) me fazendo uma pergunta: Você quer ser a Mãe da Semana? A minha resposta foi imediata: “Choro agora ou depois?”. E aqui estou eu num misto de honra, responsabilidade e até um pouco de vergonha (todo mundo lendo, sabendo quem eu sou, rs) mas muito grata!

Acredito muito que nada acontece por acaso,  e se estou aqui é porque era para eu estar! Então, vamos lá…

Tenho 32 anos, minha infância foi com a melhor mãe que eu podia ter,  e não bastando ser a melhor,  quando eu tinha 10 anos ela me deu o melhor presente que poderia me dar, o meu irmão. Junto com a chegada dele, infelizmente veio uma doença terrível chamada Depressão Pós Parto, na qual graças ao melhor pai do mundo seguramos uma barra bem pesada, e anos muito difíceis. Por isso com 10 anos carreguei mais do que uma criança deveria carregar, tive que amadurecer cedo, cuidar do meu irmão, da casa. E durante minha pré-adolescência não pude contar com a minha mãe pra me ajudar a me cuidar, me arrumar, etc.  Hoje sei que tudo que passei tinha um motivo maior.  Apesar de uma vida complicada dentro de casa, sempre vi a vida de uma forma muito feliz e sempre tive amigos muito fieis  desde a infância, que se tornaram também minha família. Tenho ótimas lembranças apesar de tudo.

Conheci o meu marido já no final da adolescência, através de um ex namorado. Ficamos muito amigos, nos apaixonamos e nos afastamos porque “era errado” , apesar de nunca ter rolado nada, me sentia mal com esse sentimento.

Quando nos afastamos percebemos que não era paixão, e sim amor, e amor não podia ser errado. Por isso, resolvemos viver esse sentimento. Obviamente foi mais complexo, rs, mas resultou em 8 anos de namoro antes do casório, e hoje estamos a 6 anos casados. Trabalhamos juntos em algumas empresas, já foi meu chefe, depois virei chefe dele, hoje somos sócios em dois negócios. Haja cumplicidade e paciência para 24 horas juntos todos os dias e há tanto tempo! E melhor do que ter um bom amigo, ou bom marido, é ter um ótimo pai para a sua filha, por isso não tenho dúvidas de que fiz a escolha certa. E assim a nossa família que era só nos dois e o Gilby (nosso Schnauzer), ganhou a pessoinha que mudaria as nossas vidas. Julinha, nossa razão de viver!

A gravidez da Ju foi muito tranquila, trabalhei até 10 dias antes do parto, enjoei só no começo. Ela mexia demais na minha barriga, todo mundo falava que por isso ela ia ser terrível rs, mas que nada, é e sempre foi meu anjinho.

Passamos por alguns sustos nos primeiros meses após o nascimento. Pais de primeira viagem, com zero experiência, mas querendo aprender tudo sozinhos. Cruzamos com alguns médicos despreparados, mas a vida foi nos levando ao caminho certo,  e nos direcionando aos melhores profissionais que poderíamos ter por perto. Aos 7 meses minha pequenininha começou a usar óculos, e também tampão por conta de estrabismo e foi bem complicado, pois o tempo que estava de tampão tinha que ficar no colo, se não ela tirava. (E eu trabalhava, home office, mas trabalhava muito, uma loucura!). Depois de um tempão de tratamento, finalmente, a alta do tampão! Foi um grande alívio  mas que não durou muito, pois certo dia a Ju estava assistindo Galinha Pintadinha (essa é quase um membro da minha família), e começou a piscar sem parar, apertar os olhos, e eu fiquei desesperada, liguei para a oftalmo que logo a atendeu, dilatou a vista, fez uma série de exames. E quando pediu para voltarmos na sala dela, estava com uma cara de velório, que eu já sabia que viria bomba. Explicou que a Ju tinha uma atrofia no nervo óptico, nós logo perguntamos como leigos “Quantos graus? Quando pode operar?”. E a resposta da médica foi: “Não tem cirurgia, não adianta óculos, é isso e pronto!”. Mas que as pesquisas estavam avançadíssimas e que  mais alguns anos já deveria ter algo a ser feito neste sentido. Podem imaginar como ficamos? De mão atadas. Depois de um misto de sentimentos, olhei tudo que já havia superado na vida, e tive certeza: era tudo preparação para esse momento! As peças do quebra cabeça se encaixaram, então assumi a frente de tudo, buscando sempre o melhor pra ela, tem sido uma batalha diária pois por conta da baixa visão, coisas simples passam a ser mais complicadas, mas quer saber? Ela tira tudo de letra, ela é fantástica, ela é esperta demais, e a cada dia eu tenho mais orgulho dessa filha linda que eu tenho. Não trocaria nada nela, é perfeita do jeito que é, mas não tenham dúvidas de que eu trocaria meus olhos com os dela imediatamente se tivesse como. Muita gente só deve estar sabendo disso agora, pois ela é tão encantadora, esperta, feliz, que não se percebem as suas limitações. Temos feito um trabalho sincronizado pais, escola e terapeuta ocupacional, esta última um anjo em nossas vidas,  e comemoramos a cada vitória; seja uma nova letra ou qualquer outra pequena conquista, e a Juju, mega esforçada ama aprender coisas novas. Tudo isso só nos faz ter mais certeza de que fomos feitos uns para os outros. Eu ainda não tenho um desfecho para essa história, mas não tenham dúvidas de que será uma história de superação, muito amor e muita felicidade. Aproveito para agradecer cada um que já me ajudou, rezou, orou, pediu energias positivas, eu sou e serei eternamente grata a cada um de vocês, tenho muitos anjos na minha vida. Inclusive os médicos, que notavelmente gostam da Ju além da profissão, assim como todas as pessoas que a conhecem.

Hoje a minha princesa tem 4 anos! E me pede diariamente um irmão, quero muito, não está nos planos agora,  pois minha dedicação no momento é 100% para ela e meus projetos, para que um dia eu possa realizar o tal tratamento que AINDA não existe, mas que VAI TER! Só Deus sabe o que vem pela frente e se vier aceitarei de coração como tudo que me deu até hoje.

 

 

Eu era:  Workaholic, Organizada, um pouco anti-social e controladora.

Depois da maternidade, eu sou: Muito mais sociável, leve, um pouco ”bagunçada”, mas MUITO mais completa e feliz! Nasci pra isso!

Como descobriu a gravidez: Eu descobri um mioma e ia começar a tratar pois com ele não poderia engravidar, ia fazer os exames pré-operatórios pois queria engravidar no ano seguinte. Não deu tempo de fazer os exames,  voltamos grávidos na médica mesmo tomando anticoncepcional, e a médica só consegue dar uma explicação: Deus quis! Engraçado que meu marido e eu sempre soubemos que tinha um bebê na barriga, não me perguntem como, mas conversávamos com ela desde o primeiro dia. Não foi planejada, mas foi muito bem vinda. Ela tinha que ser nossa!

Pretende ter outros: Se o mioma e Deus permitirem, sim! Pretendo! Minha filha merece sentir o que sinto pelo meu irmão. E ela pede tá? “Mamãe, compra um irmão?” Rs.

Caso eu não possa, não vou reclamar, sou eternamente grata aos meus cunhados que além de serem ótimos tios, me deram um sobrinho lindo, e junto o “cargo” de madrinha desse príncipe que amo como um filho!

Trabalha: Sim, bastante! Rs. Mas faço tudo Home Office! E amo o que faço!

Tenho uma agência de Marketing com meu marido e também posiciono uma marca americana de Fitness e Bem estar no mercado Brasileiro, além de amar trabalhar com isso, mudou meus hábitos, emagreci e me trouxe um desenvolvimento pessoal incrível! (Busco parcerias! Vou vender meu peixe, claro! kkk)

Trabalhe com o que gosta e nunca mais precisará trabalhar! Beijinhos para as Moms que já estão comigo nessa! E aos muitos amigos que ganhei!

Em caso positivo, onde ficam as crianças: Tive a possibilidade que poucas tiveram, de trabalhar home office, e ver cada momento do desenvolvimento da Ju. Não é fácil trabalhar com um bebê do lado, mas valeu muito a pena o esforço. (Serei eternamente grata à empresa que me permitiu isso!) Coloquei ela na escola aos 2 anos e meio, não por necessidade, mas por que eu senti que ela estava precisando de crianças. Não me arrependo de nada,  segui meu instinto e fiz tudo como achava que tinha que ser! Quando preciso sair, ou tenho alguma reunião, minha mãe me dá uma super força!

Ah! E lembram da depressão da minha mãe? Ela nunca mais teve recaídas desde que a Julinha nasceu! Minha sogrinha também é um anjo e me socorre quando preciso.

Por que optou por isso: Escola: porque quando íamos ao parque a atração eram as crianças e não os brinquedos. Senti que ela precisava interagir com crianças. Avós: quando preciso, porque sei que amam, se divertem e confio.

Melhor distração: Sou distraída por natureza, rs. Mas amo música (Rock), seriados, brincar de casinha, rs e de uns tempos pra cá, deixei o sedentarismo de lado, amo ir ao parque praticar atividades físicas ou andar de bike com a minha galera.

Ícone: Julia, nunca pensei que pudesse aprender tanto com alguém tão pequeno.

Tenho muitas pessoas que admiro e sigo, não vou citar para não ser injusta, e talvez esquecer alguém, mas a lista é grande.

Ser feliz é:  Acordar com um sorriso no rosto (com minha filha isso ficou muito fácil), viver a vida de acordo com o que acredita, chegar ao fim do dia com a certeza de que fez o seu melhor, deitar a cabeça no travesseiro e saber que não fez mal a ninguém, e se possível lembrar que ajudou alguém. Ser grata ao que tem, mas não se acomodar e buscar ser sempre uma pessoa melhor. Estar cercado de quem ama e de quem te acrescenta algo. Pedir desculpas enquanto há tempo, e se atentar a beleza que nos cerca diariamente e muitas vezes na correria não vemos.

O maior sonho: Que a medicina e as pesquisas avancem e a deficiência visual da minha filha tenha cura. Esse é o meu maior porquê da vida. Mas acima de tudo, que a minha filha continue sendo sempre muito  feliz!

Horas de sono por noite: 7, mas sempre picado. Filha sonâmbula, cada um com seu carma, rs. Ainda bem que tenho minhas companheiras da madrugada!

Uma dica para as futuras mães: Não tenham medo, a mãe já sabe amar, e isso é o que o bebê mais precisa, Amor! O resto vamos aprendendo no caminho, e eles mesmo vão dando as dicas.

Uma receita infalível para os pequenos: Paciência, rotina, diálogo, coerência, e muito amor. Também sou adepta de alimentação saudável, bons hábitos começam em casa.

Um programa inesquecível: Eu não me prendo ao programa, mas as pessoas que estão comigo. Então seria, estar sempre com quem amo, não importa o lugar.

A viagem perfeita com os pequenos: A última, Campos do Jordão, Ju com 4 anos, foi a que mais aproveitou até hoje! Quero  muito Disney com 5!

Michele X Michele:

Xi… agora ficou difícil. Acho que o mais importante pra falar sobre mim, é que eu nunca sou a mesma pessoa por muito tempo. Não entendam mal, eu tenho personalidade sim, rs. Mas é que eu estou numa constante busca de evolução. Se eu não pensar assim, não consigo ver sentido na vida. Já acostumei que quando vem uma fase muito difícil, logo virá uma coisa boa depois. Então hoje, quando estou na turbulência, já fico ansiosa pela lição que tirarei depois.

Hoje tenho em mente, que trabalhar não significa só ganhar dinheiro, e busco muito qualidade de vida e saúde. Quero aproveitar meus dias desde já, pois não sei o dia de amanhã. E de preferência fotografar e postar tudo, hahaha amo isso!

Eu faço meu facebook para mim mesma, e amo antes de dormir olhar como foi meu mês, meu ano, e relembrar tudo que tenho de bom. Esse é meu jeito de espantar tristeza. #gratidao

Também tenho memória muito curta pra coisas ruins, então se alguém acha que eu tenho algum ressentimento, esqueçam, pois eu já esqueci.

Estou longe de ser perfeita, mas gosto quando olho pra trás e vejo quem era e quem sou, e pretendo ter esse sentimento até meus últimos dias. Ainda estou tentando achar espaço na minha vida pra cuidar de mim, mas aos poucos vou me encontrando. Obrigada Rê e Kiki pela oportunidade! Meninas vocês são demais! Nunca pensem o contrário! Desculpem o texto longo, isso é o resumo! Kkk Beijos!

michele2 michele3 michele4 michele5 michele6

categorias: Mãe da Semana

Adriana Figueiredo – Entrevista Mãe da Semana

Muito honrada com o convite, fico até “sem graça” de falar sobre mim em um tópico semanalmente recheado com belíssimas histórias e inúmeras e comoventes lições de vida!! Ainda assim, vamos à minha… rs

Sou Adriana, mãe do Arthur e esposa do Andre, caçula de 5 filhos, professora de formação e por paixão, amiga dos amigos e apaixonada pela vida!
Eu me casei em 2008, numa cerimônia linda e romântica, do jeitinho que eu sempre sonhei!! Como o meu pai foi ausente desde sempre, entrei na igreja ao lado dos meus dois irmãos mais velhos! Foi muito emocionante e uma forma de dizer àqueles que me são tão preciosos: “muito obrigada, vocês são mais que irmãos…foram verdadeiros “pais” para mim!
Eu e o Andre sempre quisemos filhos, mas a endometriose atrasou um pouquinho os nossos planos…(optei por não descrever a minha saga e relatar as dificuldades da doença aqui, mas caso alguém queira informações sobre o tratamento estou totalmente à disposição!)
Nesse ínterim, também acabei engravidando e perdendo 2 bebês, o que abriu um grande “buraco” dentro da minha alma e me tornou, por um tempo sofrido, uma pessoa angustiada, deprimida, compulsiva, com “altos e baixos”… Precisei de ajuda profissional mas, mais do que isso, foi o trabalho voluntário que me ajudou a reconstruir a minha vida!! Doando um pouquinho do meu tempo à APAE, eu trazia LUZ em abundância para os meus dias…e serei eternamente grata à cada uma daquelas crianças e suas famílias por TUDO o que, sem nem imaginar, fizeram por mim!!
E assim a vida seguiu, eu foquei em outras coisas, parei de pensar SÓ nos meus problemas; até que no dia 10 de março de 2012, quando eu menos esperava, o positivo que TRANSFORMARIA A MINHA HISTÓRIA chegou!!
Foi um susto! Um misto de medo e felicidade!! Como não aconteceu exatamente quando planejei, mil coisas passavam pela minha cabeça: “será que vamos dar conta, serei uma boa mãe, temos condições financeiras…” E tudo foi melhor do que, sequer, pudemos sonhar!
No dia 30 de outubro de 2012, às 15h12, Arthur nascia e nós reNASCÍAMOS pela graça e bondade de Deus Pai! E esse filho tão esperado nos trouxe muita sorte, paz, tranquilidade, união, amor em abundância, a companhia de pessoas preciosas… a verdadeira e plena felicidade! Deu o real sentido às nossas vidas,nos ensinou a amar incondicionalmente, a querer vencer os nossos defeitos para sermos o seu melhor exemplo!
Eu era: Feliz!!
Depois da maternidade, eu sou: FELICÍSSIMA!
Como descobriu a gravidez: Em um exame de farmácia, em casa. Mas, com um histórico de perdas, foi apenas no primeiro ultrassom que acreditamos de fato no resultado! Meu marido chorava de alegria!!! Eu fiquei pasma por alguns segundos, incrédula diante do meu maior sonho se realizando!!!
Pretende ter outros filhos: Com certeza e, se Deus quiser, em breve!
Trabalha: Em um primeiro momento eu parei e me dediquei integralmente à maternidade. Com o tempo senti falta da realização profissional e dos estudos, aos poucos, fui retomando este lado.
Em caso positivo, onde ficam as crianças: Arthur irá para a escola de manhã e a tarde, quando preciso sair, tenho uma funcionária que adoro e fica com ele com todo o carinho.
Por que optou por isso: Sou totalmente a favor da escola, que otimiza o desenvolvimento e possibilita a interação com outras crianças!
Melhor distração: Ler, que amo! Dos livros aos blogs… E ir ao cinema!
Ser feliz é: Estar em paz! Ter uma família! Amigos de verdade!! Tocar positivamente a vida de outras pessoas, das mais variadas formas.
Um ícone: Meu marido! Meu AMOR mas, além disso, um grande parceiro e incentivador…passamos momentos delicados e dificílimos juntos e, quando todos achavam que “soltaríamos as mãos”, foi que ele segurou as minhas ainda mais forte!
O maior sonho: Ter mais um filho (a) e vê-los crescendo com saúde, sempre unidos! Que se tornem pessoas de bem e preocupadas com o próximo.
Horas de sono por noite: 8 ou mais…meu pequeno dorme super bem desde bebezinho, graças à Deus!
Quando curte o marido: Quando o Arthur dorme e, como meta, usar mais o “disque vovó” rsrs e fazer vários passeio só nós dois este ano…
Uma dica para as futuras mamães: Aproveitem cada segundo ( passa muito rápido mesmo e, sim, você sentirá saudade da barriga!). Siga o seu coração e não se culpe… porque todas nós nos culpamos muito, sempre, e sinceramente não precisa ser assim…se errarmos foi tentando acertar!
Uma receita infalível para os pequenos: as melhores dicas foram vocês, mães queridas do grupo, que me deram! Entre elas, a ROTINA! Desde sempre, rotina! Hoje eu colho os frutos de todo esse “investimento”…
Um programa inesquecível: Todos os que fazemos em família! Ver os olhinhos do Arthur brilharem faz tudo valer a pena!!!
A viagem perfeita para as crianças: Praia! Disparada a opção mais divertida e saudável de entretenimento para os pequenos! Criança precisa correr, brincar, tomar sol…
Adriana x Adriana: Uma pessoa de bem, muito sensível e dona de um grande coração! Muito sincera e transparente, o que pode dar a impressão de ser brava e inflexível algumas vezes, mas os que me conhecem a fundo sabem que só desejo o melhor à todos e dou a vida por aqueles que amo!
adriana-figueiredo-mae-da-semana-5 adriana-figueiredo-mae-da-semana-2 adriana-figueiredo-mae-da-semana adriana-figueiredo-mae-da-semana-4 adriana-figueiredo-mae-da-semana-3
categorias: Mãe da Semana

Maira Cunha Piccolo – Entrevista Mãe da Semana

Como todas as convidadas à mãe da semana, eu também fiquei super feliz, e surpresa, deu até aquele frio na barriga… obrigada Renata, por lembrar de mim… afinal, ser mãe é ter muita estória para contar… posso até dizer que além de estórias, eu tenho milagres para compartilhar com vocês!!! Vamos lá…

Sou natural de São Carlos, sempre vivi no interior, vim para Capital, quando virei mãe.
Comecei a trabalhar cedo, sempre fui muito família, namoradeira e AMO VIAJAR! Conhecia meu marido desde criança e há 8 anos atrás, nos reencontramos pelo Orkut, ele sempre morou em São Paulo, nos encontrávamos de final de semana. Minha primeira gravidez chegou de paraquedas, após um ano de namoro, mudei minha vida radicalmente, passei dias de ansiedade, felicidade e pânico… foi uma surpresa pra nós e pra família inteira, uma correria para montar apartamento, enxoval… na época eu era bancaria, e fiquei dividida entre mudar de cidade, ou continuar como estava, se encontrando aos finais de semana… mas amadureci a ideia de “formar uma família”… e há sete anos, eu, ele, a Duda e a Vivi formamos uma linda família!

Sou mãe de duas prematuras… a primeira nasceu por conta de bolsa rota, de 30 semanas…
Com 1.780 kg, e 49 cm… no dia que comprei minha primeira calça de gestante, estava experimentando, e ploft… a bolsa estourou, estava eu e minha mãe, que quase teve um treco. Fiquei internada por 4 dias tomando corticoide, para fortalecer o pulmão e pra tentar segurar… mas a pequena não quis esperar… entrei em trabalho de parto… como havia perdido muito liquido, sentia ela ralando nos meus ossos… o tão sonhado parto normal, não aconteceu, foi uma cesárea de emergência… consciente, queria vê-la… e ela nasceu linda, chorando, bem pequena… ficamos 17 dias na UTI, quando sai do hospital, estava um sol tão lindo… eu mal conseguia abrir os olhos… parecia que tinha durado uma eternidade… Vim pra São Paulo contudo… e a pequena nos braços, no frio de julho, nem meias parava no pé de tão magrela… eu passava fita adesiva, pra segurar. Com pouquíssima experiência, sem a família perto, sobrevivemos, brinco que tive experiência com prematuros quando estudei enfermagem, mas cuidar do nosso filho é diferente, você vai aprendo dia a dia, e quem mostra isto, é seu bebe, ser mãe é magico… ela não tinha força para sucção, eu tirava leite e dava no copinho de café, como a maioria dos prematuros, ela também precisou da formula. Mas Deus nos iluminou tanto, que a pequena progredia mês a mês…
Já a segunda, foi um aborto com sobrevivência, que sofri quando estava de 22 semanas…
Descobri esta gravidez num exame de rotina, e quase cai de costas… estava de 16 semanas, ás vésperas do primeiro aniversario da Maria Eduarda, eu fiquei em choque… mas levei a diante, uma gravidez que não tive barriga, que não engordei uma grama., e nem tive tempo de anunciar para a família a gravidez que durou praticamente 1 mês. A pequena Maria Vitoria, nossa princesa Vivi, veio ao mundo com 600 grs e 25 cm… chegou a pesar 470 grs, com inúmeras intercorrências e cirurgias, nosso milagre sobreviveu sem sequelas.. já morava em São Paulo, e não tinha noção de hospital – maternidade… nada… no dia que eu passei mal era véspera do dia dos pais, a GO que me acompanhava, não atendeu minhas ligações, eu estava sozinha, com marido viajando, e como moro perto do Hospital Santa Joana, fui a pé pra lá, em trabalho de parto, cheguei e já me colocaram numa maca, numa sala de trabalho de parto… demorou cerca de 1 hora, até minha amiga chegar para fazer minha internação, vivi momentos de pânico, até problemas com autorização do plano de saúde eu tive… até resolverem toda burocracia, sem GO… eu via nos olhos do plantonista o receio de colocar a mão em mim… tomei muitas drogas para segurar, mas nada adiantou… a pequena veio ao mundo de parto normal. Nasceu e foi direto para UTI… foram mais de 3 meses, de idas e vindas, eu colocava a Duda no carrinho e passava a tarde lá, dentro da UTI do terceiro andar, fiz muitas amizades… médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, mãezinhas, amigos, vizinhos… todos, revezavam para cuidar da Duda, e desta forma eu conseguia ficar dentro da UTI com a Vivi, foi uma fase difícil que nem consegui contar para minha família que havia tido outra filha minha mãe e tias estavam cuidando da minha avó, que precisava de cuidado intensivo. Costumo dizer que por cuidar da primeira filha sozinha, fiz um intensivo para cuidar da segunda prematura rs…
A pequena teve alta no dia 25 de novembro de 2009, papai noel antecipado em minha casa, pensei que não fosse dar conta… mas consegui… a Vivi exigia cuidados, pois engasgava muito, como não tive leite, me ensinaram a dar mamadeira, mas como treinei dar leite no copinho de café com a Duda, consegui aplicar esta técnica na Vivi, rs…
No Natal de 2009, fui pra casa dos meus pais, e levei a pequena de presente para eles… foi uma emoção indescritível!!!!!! (lagrimas)…
Quando dizem aquela frase, “Deus escreve certo por linhas tortas”, costumo dizer que a frase é minha… fui mãe em tempo integral durante 2 anos… tarefa difícil, mas consegui, cuidei das duas com muita dedicação, muito amor, e carinho! Cresci, aprendi, amadureci muito… vivi cada fase com minhas princesas!

Eu era: Incompleta

Depois da maternidade, eu sou: Feliz, realizada, ainda mais por tudo que passei…

Como descobriu a primeira gravidez: no susto… nunca fui regulada, mas tinha muito sono, cansaço, fiz o teste, e ploft, positivo.
a segunda: a segunda foi num ultra de rotina

Pretende ter outros: não… pois a primeira nasceu, de 7 meses a segunda de 5… a terceira… ah vou receber uma ligação da UTI neo dizendo “Maira tem uma filha sua aqui… vem buscar” rsrsrs… brincadeira, eu sou realizada com duas Princesas!!!

Trabalha: sim, as crianças, até o ano passado ficavam em tempo integral na escolinha, optei por segurança, e a escolinha que elas ficavam era igual “Casa da vovó”, elas amavam e desenvolveram muito bem… Consegui este ano trabalhar apenas meio período, então as pequenas irão pra escola apenas na parte da tarde.

Melhor distração: correr, com a corrida consigo disposição para enfrentar tudo… e seguir em frente sempre.

Ícone: Deus, e o meu pai…

Ser feliz é: ser simples

O maior sonho: levar minhas princesas pra Disney

Horas de sono por noite: mais que 8… desde bebe elas nunca me deram trabalho a noite.

Uma dica para as futuras mães: curta cada fase… pois, passa muito rápido, eu já sinto saudade de quando elas eram bebes…

Uma receita infalível para os pequenos: paciência… Muita paciência, principalmente quando tiver beirando os 2 anos…(o auge das birras).

Um programa inesquecível: Como nossa família é do interior, os encontros sempre são inesquecíveis, elas tem um avô que entra no mar… e outro que leva pra passear no sitio. Uma avó educadora que sempre espera as netas com a casa recheada de livros novos… uma tia que senta e brinca… tias avós que fazem bolachinhas, bolo de cenoura, comida fresca, tudo o que pedem… tio avô que se veste de fantasma a noite, uma bisa que adora ver as bisnetas fazendo carinho e dando atenção… elas estão crescendo e valorizando a família, estou super feliz com a sementinha que minha família “unida” ajudou plantar, elas lembram todos os dias destes momentos, até quando vão rezar a noite.

A viagem perfeita com as pequenas: Beach Park

Maira X Maira: difícil falar da gente né… mas sou intensa, tudo que pego pra fazer, faço com afinco e carinho… sofro, por agir com o coração. E não pela razão… Gosto de fazer as coisas com amor, carinho, não gosto de nada mais ou menos, Sou teimosa, sou ansiosa pra caramba, geniosa, meu marido que o diga… rs. Mas amo me dedicar e cuidar. Os filhos são reflexo dos pais… Depois que fui mãe, fico mais atenta aos meus atos e comportamentos…

maira-cunha-piccolo-2 maira-cunha-piccolo-4 maira-cunha-piccolo-3 maira-cunha-piccolo maira-cunha-piccolo-5

categorias: Mãe da Semana

Paula Ortiz- Entrevista Mãe da semana

Eis que o convite chegou no meu inbox! Confesso que me passou pela cabeça não ter nada muito interessante para dividir, mas fazendo uma retrospectiva mental, percebi que virar mãe é ter muita estória para contar! Então vamos lá: Sou Paulista e tenho 31 anos. Eu posso dizer que fui muito aventureira na adolescência rs! Se me apaixonava por algo, entrava de cabeça. Já fui do esporte (fiz dança, musculação, natação, me dediquei 7 anos a capoeira), já fui do forro, das viagens roots explorando praias brasileiras com amigas e barraca, já tive banda, já fui das baladas, tive 3 namorados e foram loooongos namoros.. Rs! Sempre assim, se eu curtia me entregava de corpo e alma.

Sempre trabalhei mas nunca conseguia estar por muito tempo no mesmo local de trabalho, talvez porque nunca me apaixonei por nenhum deles. Foi muito difícil para mim encontrar uma faculdade que eu quisesse terminar, já havia feito design, psicologia, propaganda e mkt, curso técnico em massoterapia (meu perfil indeciso de capricórniana super ajudou!) me formei “tardiamente”, aos 25 anos comecei publicidade e aí foi! Rs!

Minha gravidez chegou de pára-quedas na minha vida e do meu marido no último ano da faculdade, na época, eu trabalhava em uma grande agência de publicidade na área de planejamento. Já namorávamos entre idas e vindas há 5 anos e estávamos estáveis ah 1 ano. Como eu era bem desregulada demorei 2 meses para desconfiar da gravidez! Meu único sintoma foi muito sono, levava um lanche para o estacionamento, comia e dormia no carro, chegava em casa dormia e dormia, meu corpo apresentou mudanças, dei uma engordada e acabei me inscrevendo na academia, fui por dois dias, os outros todos eu fugia para dormir kkkkkk. Comprei o teste e demorei uma semana a mais para ter coragem de fazer. Toda noite meu marido me cobrava: vc já fez? Um dia acordei fui lá, fiz e PUMBA! Dois pauzinhos! Passei uma semana entre uma felicidade e pânico pensando como seria mas já tão orgulhosa de me sentir mãe! Depois do primeiro ultra-som que a ficha do meu marido caiu e ele ficou muito emocionado Me lembro de um dia estar com a minha mãe almoçando em uma churrascaria e contando a ela que estava super a fim de me inscrever em um programa para trabalho voluntário em um santuário de elefantes na África e no próximo almoço no mesmo lugar contando que ela ia ser avó! Kkkkkk

Gente a minha gravidez foi certamente o momento que eu mais me senti especial em toda minha vida! Fui paparicada pela família, amigos, pessoas sorriam para mim na rua, elogiavam meu barrigão e davam seus lugares na fila. Até os garçons me serviam “a mais” sorvete extra, docinhos de graça… Não preciso dizer que aproveitei a beça né?

Talvez por eu ser pequena passava a impressão que minha barriga estava enoooooorme.. E nas últimas semanas me sentia desconfortável, então, no dia 21 de abril 2012 meu príncipe Felipe tão esperado chegou! Até achei que ia tirar de letra PQ ele mamava direitinho e dormia bem. Até que… Chegamos em casa…Senhore mioooo! Ele chorava muitooooo, mamava e queria colo 24h, dormia 0! Felipe foi um bebê hight need. Aos poucos fui montando nossa rotina e tendo acertos na forma de colocá-lo para dormir. Com 5 meses eu já conseguia descansar apesar das acordadas noturnas. Optei então pela cama compartilhada e amamentação prolongada e assim acertei mais uma vez. Hoje em dia ele dorme seguro a noite todinha!!!

Posso dizer que como tudo que amei na minha vida me joguei de cabeça, com a maternidade não foi diferente. Virei uma mãe maluca de cuidados e doidinha de amor! Deus foi tão generoso comigo, Felipe é um presente, ele é meu companheirinho de aventuras, a realização de um sonho que eu nem sabia que tinha.

Como toda boa mãe de primeira viagem a insegurança ainda bate em minha porta e por isso é tão bom poder contar com vocês. Entrei para grupo há 2 anos por indicação da querida amiga e m@e Janaina Lobo (obrigada demais amigaaa!). Aqui já tive ajuda em horas de pânico, já desabafei e encontrei pessoas generosas e lindas com um único objetivo em comum: cumprir da melhor forma possível a complexa tarefa de ser MÃE. Foi aqui no grupo que encontrei uma nova profissão, lendo um post sobre topos de bolo feitos com biscuit, descobri um certo talento e acabei por me tornar uma artesã. Comecei fazendo personagens do desenho da Peppa para o niver do Felipe e não parei mais. (Obrigada querida Cristina Censi Nogueira!!!) Hoje trabalho em casa e assim posso continuar me dedicando bastante ao Felipe.

Queridas moderadoras Renata e Kiki obrigada pela sabia ideia de criar este espaço e obrigada a todas as mamães que aqui estão para acrescentar, chorar e rir umas com as outras. Vocês fazem o meu mundo materno muito mais feliz!

Eu era: Exploradora da minha felicidade

Depois da maternidade, eu sou: feliz

Como descobriu a gravidez: No susto

Pretende ter outros: não por enquanto!

Trabalha: em casa meio período

Em caso positivo, onde ficam as crianças: meio período na escolinha

Por que optou por isso: não dou certo com modelo baba, nem diarista eu “sei” ter rs!

Melhor distração: passear no bairro com Felipe

Ícone: minha mãe e meu pai

Ser feliz é: acordar com o Bom Dia delicioso do meu filho todos os dias!

O maior sonho: achar um lugar perfeito para morar com a família. Que seja perfeito para todos pq Sampa ta difícil..rs!

Horas de sono por noite: 10! Uma conquista suada!

Uma dica para as futuras mães: calma, rotina e sigam seus instintos. Mãe erra, mas sempre tentando acertar. Não se martirizem!

Uma receita infalível para os pequenos: gastar a energia deles, com isso, tudo funciona melhor.

Um programa inesquecível: férias em Serrambi

A viagem perfeita com os pequenos: com certeza será ir a Disney!

Paula X Paula: Sou uma pessoa de extremos, posso ser muito amável mas posso ser muito chata, posso estar muito feliz ou muito emburrada depende do dia, da pessoa, mas, na maioria das vezes sou positiva, sonhadora e idealista. Adoro ajudar, seja com uma palavra ou com um gesto, sou ombro amigo mas dificilmente vou chorar no ombro de alguém. Guardo tudo para mim e tento me resolver. Se eu estourar é pq estava péssima rs!

paula-ortiz-5 paula-ortiz-3 paula-ortiz paula-ortiz-2 paula-ortiz-4

categorias: Mãe da Semana

Kah Venturi – Entrevista Mãe da semana

Bom, mesmo sendo clichê, preciso dizer que nunca me imaginei sendo mãe da semana!! Quando a Re me chamou, fiquei super feliz!
Acredito que minha história é beeem diferente de praticamente todas aqui do grupo, devo ser a mãe mais nova. Vou contar para vocês como tudo aconteceu.

Comecei a namorar meu marido com 13 anos (!!!), morava com meus pais e minhas irmãs. A gente se conheceu na escola, ele era um ano mais velho, estudava na sala da minha irmã! Dia 20/12/2004 começamos a namorar e foi um namoro muito intenso, primeiro namorado, aquela paixão sem fim! Depois de quase quatro anos de namoro, por alguns problemas de saúde havia parado de tomar anticoncepcional, e por um descuido (ou Deus?), eu no auge da minha adolescência, com 16 anos, me via gravida!!!! Sem rumo total! Meu namorado na época com 17 anos, querendo curtir Porto Seguro, formatura. Foi uma mistura de sentimentos sem fim, não tinha coragem de contar para ninguém, não sabia se levava para frente, só pensava que minha vida tinha acabado. Depois de um mês pensando, decidimos contar pros nossos pais. E claro nossa decisão já tinha sido tomada: íamos ter aquele bebê. Foi um susto enorme para toda a família, logo eu, filha mais nova, tendo filho primeiro?? Mas tanto meus pais, como meus sogros, sempre foram nossa base. Nos apoiaram sempre desde o primeiro instante.
Estava com muito medo de contar para os meus pais, afinal, não é a coisa mais fácil do mundo de chegar e dizer “ Oi pai e mãe, sua filha de 16 anos ainda no colegial esta gravida“! Como conheço os pais que tenho, senti que a melhor maneira seria escrevendo uma carta. Escrevi uma carta imensa, tinha 4 páginas, e me abri mesmo para minha mãe. Contei da gravidez, do medo do futuro, que eu me sentia muito triste, não via mais sentido para minha vida etc. Deixei a carta embaixo do meu travesseiro, sai bem cedo para casa do Bruno (namorado). Quando cheguei na casa dele, liguei para minha mãe, avisei que tinha uma carta para era e desliguei o telefone na cara dela (tadinha!!!). Passei o dia todo incomunicável, eu e ele só choravamos de desespero! Quando anoiteceu, decidir ligar o celular. Não deu 5 minutos e minha mãe já estava ligando. A reação dela foi totalmente diferente do que eu imaginava, uma super mãe! Disse que ia me apoiar, que ia ser difícil, mas que eles não iam brigar comigo, que era melhor isso do que qualquer problema de saúde.
Já para os meus sogros decidimos contar conversando mesmo. Tadinha da minha sogra, chorou muito! Mas logo eles viram que aconteceu, então bola para frente!
A gravidez para mim foi bem tranquila. Não tive enjoo, nunca vomitei, só tinha bastante vergonha de ir para a escola (sim, eu nunca parei de estudar!). Claro que todo mundo falava de mim, me apontava, já ouvi muitos xingamentos na escola, de baixo calão! Mas tudo passou, ela nasceu! E ai sim minha vida mudou para sempre. Morei com meus pais nos 8 primeiros meses. Foi muito bom porque aprendi bastante com a minha mãe, mas chega uma hora que você sente vontade de ter sua casa, sua família.
Então lá fui eu! Peguei minhas coisinhas e com 17 aninhos apenas me casei (!!!), dia 20/12/2008, mesmo dia que começamos a namorar, meu marido tinha 18 anos só também. Nessa época, ele morava na mãe dele, e sentia muita falta de ver minha filha no dia dia, de poder ser presente como um pai. E foi a melhor coisa que fizemos. Foi muito difícil se casar, aprender a lavar roupa, cozinhar, conviver com uma pessoa que teve uma criação diferente da minha, ter que educar um bebe, sendo eu tão nova. Mas entre tantas dificuldades nós conseguimos, graças a Deus!!
Hoje em dia as coisas estão infinitamente melhores, tenho muito mais suporte emocional, consigo dar conta da casa, da filha, do marido e até da cachorra (rs). Enfim, a vida tá seguindo.

E mesmo diante desse turbilhão de coisas que aconteceram, eu nunca parei de estudar, me formei na escola e já emendei a faculdade, hoje sou enfermeira. Foi muito difícil fazer uma faculdade com filho pequeno, passava muitas noites estudando de madrugada, fora as vezes que ela decidia ficar doente em plena semana de prova!!! Mas deu tudo certo, evolui muito como pessoa também durante a faculdade, já que era o convívio diário com pessoas doentes, passando por problemas inimagináveis, você quando está diante da situação, passa a agradecer até a água que você consegue beber. Sou muito feliz na minha profissão.

Quando dizem aquela frase “Deus escreve certo por linhas tortas” é difícil de acreditar, mas quando vejo o que tenho hoje, o que eu sou hoje, penso que ter sido mãe tão nova foi muito bom para mim. Sabe quando você sente que nasceu para ser mãe? E graças a Deus tive esse presente, eu consegui ser mãe! Amadureci muito, sou muito mais focada nos projetos em que me envolvo, tudo isso por conta da minha filha, da minha família.
Claro, ser mãe nunca é fácil, nem quando você tem estrutura financeira, psicológica, física, imagina sem tudo isso??? Mas temos que saber nos adaptar ao balanço do mar, já que veio, vou agradecer e fazer dessa minha vida, e foi o que eu fiz. Hoje não vejo a hora de ter outros filhos, de continuar minha família, sou muito feliz sendo mãe e esposa! Amo essa vida.

Eu era: Tão nova que não sabia nem o que eu era, rs.. talvez uma adolescente sonhadora e apaixonada?

Depois da maternidade, eu sou: Muito, muuuito mais madura! Existe uma Karina antes da Giovanna e outra depois!

Como descobriu a gravidez: Meu marido (namorado na época) cismou que minha menstruação estava atrasada e eu dizendo que não estava. Para desencargo de consciência, decidi fazer um teste de farmácia para mostrar para ele. E não é que deu um mega positivo??? Rs..uma semana depois fiz um US e la estava minha Giovanninha, com 8 semanas e 4 dias! Aquele US eu SÓ CHOREI, coitado o médico não sabia nem o que dizer para mim.. eu imaginava que minha vida tinha acabado!

Pretende ter outros: Simmm.. quero muito ter mais dois!

Trabalha: Sim..

Em caso positivo, onde ficam as crianças: Fica na escolinha integral.

Por que optou por isso: Escolhi a escola porque não gosto muito de depender de ninguém, quando você opta por babá ou avó você cria uma dependência muito grande da pessoa. Mas tenho minha mãe e minha sogra de suporte caso ela fique doente, tenho um plano B, graças a Deus elas são bem disponíveis e me ajudam. Mas a escola além de tudo tem bastante atividade, esporte, acredito que a criança se desenvolve mais.

Melhor distração: Correr e ver Greys Anatomy ou Revenge.

Ícone: Deus!

Ser feliz é: Ser grata sempre. Pra mim isso é felicidade, quando você aprende a ser grata a tudo e todos que você tem, você com certeza é uma pessoa feliz! Sou muito grata pela minha vida, pela minha saúde, minha família, meus amigos, meu trabalho e pela minha filha maravilhosa!!

O maior sonho: Ter muita saúde sempre, e ter uma família muito feliz igual a dos meus pais! Quero dar irmãos para a minha filha, igual eu tenho! Que sempre me ajudam..

Horas de sono por noite: 7 a 8 horas..

Uma dica para as futuras mães: Não fiquem tão preocupadas com coisas pequenas, aproveitem os filhos cada segundo, eles serão um reflexo de vocês quando crescerem, então lembrem-se de serem sempre bons exemplos. E sempre que puderem, durmam quando eles dormirem kkkkk assim o cansaço será menor.

Uma receita infalível para os pequenos: Calma, muita calma. Você sendo uma pessoa calma a criança sente e ela tende a ser calma também. Ter muita paciência também é importante. Sempre penso quando estou com raiva ou estressada com algo, não posso descontar nela. Nem nos meus inimigos eu desconto, por que devo descontar no maior amor da minha vida? Não acho justo!

Um programa inesquecível: Nadar com os golfinhos, é muito fofo! Sabe aquele programa que você entra rindo e sai sorrindo? É esse! Muito gostoso.

A viagem perfeita com os pequenos: Já viajamos bastante, mas nada bate a Disney! Não vejo a hora de voltar para la.

Kah X Kah: Eu sou uma pessoa bem calma, dificilmente você vai me ver triste, estou sempre sorrindo! Não gosto de gente reclamona, então tento sempre ver o lado bom das coisas. Também sou bem decidida, como diz meu marido quando coloco minhoca na cabeça ninguém tira, rs! Se eu decido algo, fico matutando até conseguir. Adoro praia, maquiagem, chocolate e um shopping (rs) .

ka-venturi-5 DCIM100GOPRO ka-venturi-1 ka-venturi

categorias: Mãe da Semana

Melissa Mell – Entrevista Mãe da Semana

“Ai, grupo de mães? É fria, fuja! Um monte de mulheres competindo pelo “Troféu Mãe Perfeita” e julgando os erros das outras”.

Ainda bem que não acreditei em quem me dizia isso, pois o 4 M@es é TOTALMENTE DIFERENTE! Amo.

Sou Melissa, mãe de Miguel e Isadora, gêmeos que completaram 1 ano há menos de 10 dias e entrei no grupo quando ainda ainda estava grávida. De lá pra cá nem sei dizer o quanto já recebi de ajuda e apoio dessas m@es maravilhosas, 95% que nunca vi na vida. Quando tive dúvidas na gravidez, quando precisei encontrar uma nova pediatra em cima da hora…, quando o Miguel chorava e não pegava o peito, quando estava quase chorando de cansaço e stress, quando me senti sozinha, quando não sabia onde comprar tatame pra colocar na sala, quando tive dúvidas, quando tive medo, quando tive solidão enquanto amamentava de madrugada e sempre tinha alguém postando e algo pra ler.
Competição: Julgamentos? Imagine, muito pelo contrário! Quando a gente entra cheia de culpa e posta algo que fez morrendo de vergonha, sempre vem alguém te tranqüilizar, dizer que é normal e conta algo parecido ou pior, e você acaba relaxando, dando risada e percebendo que não é a única que passa por certas coisas, que a vida não é um comercial de margarina e que ser mãe não é ser serena e bem arrumada, com filhos zen que tocam Enya no pianinho e dormem 15 horas por dia. Meninas, vocês são incríveis, desejo um balde de amor por vocês!

Eu era: uma pessoa independente, que sempre fez tudo sozinha. Quando era adolescente e queria ir nas matinées mas ninguém podia ir comigo, eu ia sozinha- e assim começaram muitas amizades que duram até hoje. Até antes de engravidar, eu ia sozinha a shows, academia, cursos…Queria ir, pegava e ia.
Além disso, eu amava maquiagem (ainda amo), ia trabalhar toda maquiada, sombras coloridas, delineador. E tinha um blog de esmaltes.

Depois da maternidade, eu sou: uma pessoa que precisa de ajuda. Ajuda pra olhar um enquanto pego o outro, ajuda pra cuidar de um enquanto o outro mama, ajuda para dar colo pra um se os dois choram juntos, pra ninar um enquanto eu nino o outro, ajuda para tirar do carro sem ser algo que arrisque nossa segurança, ajuda pra carregar um no colo enquanto eu levo o outro quando eu saio e o carrinho duplo não passa na porta- e muitas vezes não passa. Adeus, independência!
Maquiagem? Só se vou a algum lugar mais “social”, o que é raríssimo depois que os bebês nasceram. E minhas unhas? Cortadas no talo e sem esmalte na maior parte do tempo.

Como descobriu a gravidez: já queríamos, estávamos tentando há um tempo. Foi atrasar alguns dias que comprei o teste de farmácia e, POSITIVO!

Qual a reação quando soube que eram gemelares: ficamos muito felizes! Nunca quisemos ter só um filho e, ao saber que viriam dois juntos, ficamos extasiados.

Pretende ter outros: toc, toc, toc na madeira, hahaha! Brinco que, caso eu engravidasse de novo, até chegar a data do ultrassom para saber se seria mais um ou dois filhos, eu iria ter um treco.

Trabalha: não, decidi parar para me dedicar totalmente a eles nesse começo de vida. Agora que comecei a pegar uns freelas bem de leve.

Melhor distração: com eles é sentar no chão para brincar, ficar observando o modo como crescem e descobrem as coisas e passear.
Sem eles é conseguir ter uma refeição demorada com o marido enquanto eles dormem ou se comportam bem, ver um filme, seriado, e ler algo antes de desmaiar na cama, mesmo que só algumas linhas.

Ícone: não tenho UM ícone, mas, em alguns momentos acho minha vida tão puxada, que só penso em algumas mães que têm a vida mais puxada que a minha: as mães de UTI. As que enfrentam problemas de saúde dos filhos com garra e Fé, como a mãe do Pedrinho. As mães de trigêmeos. As que cuidam da casa e dos filhos sem nenhuma ajuda (eu pelo menos tenho alguém que faz as tarefas domésticas e meu marido que é um super pai). As que voltam a trabalhar com o coração doendo. As mães solteiras ou cujos maridos não ajudam.

Ser feliz é: minha meta a cada dia.

O maior sonho: conhecer os filhos de meus filhos ao lado do meu amor, e que todos nós sempre tenhamos uma vida cheia de alegrias, união, saúde física, mental, emocional e espiritual.

Horas de sono por noite: chuto umas 4. Somando todos os sonos picadinhos.

Uma dica para as futuras mães: viva intensamente a maternidade, a vida lá fora espera. Não é para se esquecer de você ou se sacrificar além da conta, mas viva o momento. Amamente fazendo carinho em seu filho e olhando nos olhos, sente no chão e brinque com ele dando atenção e sem o celular nas mãos (mesmo que poucos minutos), dê muito colo, beije e abrace muito seu bebê, dê papinha sem apressá-lo, veja o mundo pelos olhos dele e entenda seu ritmo, seus medos, sua necessidade de carinho. Não crie um ser dependente, mas não apresse seu pequeno, não o force a andar, falar e crescer antes do tempo. Dê a ele um ambiente que o faça florescer e dê muito, muito, muuuito amor.

Uma receita infalível para os pequenos: colo, amor, carinho. Além disso, ter poucos brinquedos vai desenvolver a criatividade deles, que aprenderão a brincar de formas diferentes com a mesma coisa e não serão do tipo que sempre quer mais e enjoa logo.

Um programa inesquecível: passear de carrinho no Parque Trianon, aos domingos. Amo aquele lugar, a paz, o clima, as árvores…

A viagem perfeita com os pequenos: quando eles conhecerem o Mar.

Melissa X Melissa: sou alegre e bem humorada. Gosto de ser gentil e de ajudar quem eu puder. Se não tiver algo otimista para falar, prefiro não falar nada. Sou amorosa e não hesito em dizer que gosto de quem gosto e de elogiar a quem admiro. Também sou brava, esquentadinha e não tenho problema nenhum em aceitar meu “lado sombra”, apesar de sempre querer melhorar. Nasci pra ser feliz e para tornar o mundo um lugar melhor. Eu, você e todo mundo.

melissa-mell-1 melissa-mell-3 melissa-mell-2 melissa-mell-4

categorias: Mãe da Semana

Daniela Bruschetta – Mãe da semana

Justo na semana que eu escrevi um post sobre receber ou não a ajuda do maridon nas tarefas da casa ou com as crianças, vejo uma mensagem inbox da Renata Costa, putz, pensei, meu post já tinha dado tanto o que falar que ela vai me dar que ela está vindo falar comigo, rsrsrs. Quando leio a mensagem dela, reli mais umas duas vezes, tinha recebido um presentão de Natal, ser a Mãe da Semana.

Bem, lá vou eu me apresentar. Sou uma curitibana que veio morar em São Paulo porque o namorado, um santista, a qual conheci em Porto Seguro-BA, passou em um concurso público aqui e não aguentava mais fazer o trajeto Santos – São Paulo – Santos, e eu não aguentava mais os 3 anos de namoro a distância, então larguei tudo na cidade que ainda amo e trouxe minha mudança pra cá, é que em Curitiba eu já morava sozinha.

Passaram 3 anos e oficializamos a união, com tudo que tínhamos direito. A partir daí foi a batalha pra engravidar, digo batalha porque nem com tabelinha, nem com hormônios para estimular a ovulação eu engravidava. Fiz duas vezes exames da cabeça aos pés, e nenhum problema, meu marido trocentos espermogramas, e nada também, comecei a entrar em depressão.

Com 4 anos tentando engravidar e nada, decidimos fazer uma FIV. Fizemos todos os exames e ok, mas como eu era portadora do vírus da Hepatite C, tinha que fazer uma biópsia do fígado e ai veio a triste notícia, a doença tinha acelerado e tive que fazer tratamento, não podendo assim engravidar durante 18 meses, fiquei até afastada do trabalho por 12 meses, enquanto tomava a medicação. Tudo resolvido, mais tentativas, resolvemos então fazer a primeira inseminação, não deu certo, quando desceu a menstruação eu só queria chorar. No trabalho o clima estava piorando a cada dia, era um stress e uma perseguição tão grande da chefe que tive uma crise do pânico e depressão, fui parar no ambulatório da empresa e depois em casa passei mal novamente e fui para o hospital. Foi a gota dágua, então pedi demissão e fui atrás do nosso sonho.

Maridão me mandou uma semaninha para Natal com os parentes para eu relaxar daquele stress todo, depois disso mais uma inseminação, e nada novamente. Então em março de 2010 fizemos uma FIV, colocamos 4 embriões, naquela época era ainda permitido essa quantidade, ainda mais porque eu estava com 39 anos já. Quando peguei o resultado do meu Beta, liguei para o médico na hora, não entendia nada deste exame, e ele falou: você está gravidíssima. Nossa, chorei tanto, que ganhar na mega sena da virada pra mim não me faria tão feliz como foi esta notícia. Veio nosso Enrico, o príncipe tão esperado. Minha profissão se tornou apenas ser Mãe. Mas ainda queríamos mais, e com a idade apertando tínhamos que correr contra o tempo, e 1 mês antes do Enrico completar 2 anos, mais uma FIV, desta vez só 2 embriões, mas foram o que conseguiram perfeitos, e logo no resultado do Beta meu medico disse: além de grávida deve ser gemelar. Ri dele e nem levei muito a sério, mas com 4 semanas de gestação, o primeiro ultrassom, e duas bolinhas na tela, sim, era gemelar, mas um em cada placenta, e assim vieram o príncipe Breno e a princesa Elisa.

Nossa família cresceu, e a cada dia eles nos fazem mais felizes. Agora me resta pedir a Deus para que eu possa ensinar o que é o correto, ou o que eu acho correto, para meus filhos, e tentá-los fazer serem humildes, comportamento que a cada dia tem desaparecido mais e mais.

Eu era: alguém que adorava sair para jantar fora, encontrar com as amigas, viajar muito, mas não era feliz por completa, faltava ser mãe, pois achava e acho até hoje que nasci pra isso.

Depois da maternidade, eu sou: um pouco mais estressada para tentar fazer o correto com eles, tipo… ter rotina pra tudo, pra acordar, comer, tomar banho, hora de brincar, etc. Mas quando vejo que estou exagerada, pego leve, afinal são crianças e precisam curtir também a infância deles, pois eu também tive a minha e sei que fui meio moleca, rsrs. Hoje quando saio para as compras, pra mim nada, pra eles tudo, acho que me larguei um pouco, mas estou tentando voltar a me cuidar.

Como descobriu a primeira gravidez: como foi FIV, não foi bemmmmm uma descoberta, eu não pude ter aquela coisa de surpresa que a maioria tem, como é algo mais que programado, você já tem a data para saber se está grávida ou não.

E a segunda: idem a primeira, rsrsrs

Como foi a reação ao saber que eram gemeos: foi bem engraçada, pois estava eu e minha sobrinha de 15 anos na sala. Quando vi duas bolinhas na tela, primeiro levei um susto achando que seria algo ruim, mas falei pro médico: nossaaa o que são essas duas bolinhas aí? Ele responde: gestação gemelar mamãe. Eu na hora falei: O que? Estou grávida de gêmeos? Ele respondeu: Calma mamãe, não sei ainda se são dois ou mais, preciso verificar cada saco gestacional. Respondi: Não não, terá só um em cada saco, rsrsrs. O legal foi contar para meu marido, só não caiu duro porque o médico já tinha meio que dado um sinal no resultado do Beta.

Pretende ter outros: olha, se eu fosse uns 5 anos mais nova, e soubesse os números da megasena, até teria mais, mas agora prestes a fazer 44 anos, e com os gastos que já temos com os 3, a fábrica fecha por aqui.

Trabalha: posso não trabalhar fora, mas dentro de casa eu não paro um minuto, até para contar minha história pode saber que alguma coisa estou deixando por fazer, rsrs, pois não tenho empregada e nem babá, só uma diarista que vem 2 tardes na semana.

Melhor distração: algum programa na TV que não seja a Peppa Pig, rsrs. Antes eu conseguia ainda fazer Pilates 2x na semana, mas com a gravidez dos gêmeos nem isso dá.

Ícone: minha mãe, batalhadora, paciente, sofredora, mas que nunca deixou a peteca cair. Se eu puder ser 10% do que ela é, já estou feliz da vida. Ser feliz é: ter minha família ao meu lado, saudável e também feliz.

O maior sonho: morar numa casa, de preferência em condomínio fechado, para ter mais espaço para as crianças brincarem, ter um cachorro e poder fazer minha hortinha.

Horas de sono por noite: ate 1 mês atrás eram umas 4 horas de sono, mas não completas, somando os picados da noite, pois com 3 crianças em casa, se um acorda tem que correr pra atender para não acordar os outros dois.

Uma dica para as futuras mães: saiba que dificilmente serão perfeitas, por mais que tentemos. Vão cometer erros e acertos, e não escutem muito o que os outros dizem ou comparem seus filhos com os outros, cada um é cada um, se todos fossemos iguais seria uma verdadeira monotonia.

Uma receita infalível para os pequenos: limites. Toda criança precisa de limite, saber o que é certo e errado, e saber distinguir entre mimar e dar carinho e amor. Carinho e amor, é educá-lo. Mimar é fazer todas as suas vontades, desta forma, pelo menos pra mim, estaria se criando um monstro.

Um programa inesquecível: quero guardar como programa inesquecível algo com nós cinco juntos, então este pra mim acho que não aconteceu ainda.

A viagem perfeita com os pequenos: nossa primeira vez, os 5 juntos para 4 dias na praia, o Enrico sem medo de água só queria o mar, a Elisa deve ter comido uns 500 gramas de areia, a cada distração nossa lá estava ela com areia na boca, e o Breno só queria saber de correr na beira mar, era linda a cena.

Daniela X Daniela: sou do seguinte lema: “Não faça para os outros o que não gostaria que fizesse para você”. Assim eu odeio falsidade, mas infelizmente na sociedade que vivemos em algum momento vc precisa ser falso para ter uma certa paz no ambiente, nossaaa isso me corroe. Não gosto de egoísmo, tenho pavor, e vemos isso nitidamente no dia a dia. Meu maior defeito, me magôo facilmente com as pessoas, e infelizmente seguro isso pra mim, não explodo com a pessoa e acho que por isso volta e meia me vejo deprê. Adoro fazer novas amizades, isso me faz bem, assim como sempre estar disposta para ajudar alguém, quem me conhece pode confirmar isso. Sou muito paciente com os outros, com os filhos as vezes explodo, mas pensem, três crianças chorando ao seu redor, cada uma pedindo algo ou sua atenção, dá pra não explodir? Rsrs, mas é uma explosão leve tipo QUIETOSSSSSSSSSSSSS rsss. Não suporto falta de educação, ainda mais aquela que só porque vc tá pagando você joga isso na cara do outro, ou perder o respeito com os mais velhos, vixi se você faz isso com alguém como você quer ser respeitado??? Acho que essa sou eu, difícil um pouco falar de si apontando defeitos e qualidades.

daniela-bruschetta daniela-bruschetta-1 daniela-bruschetta-2

categorias: Mãe da Semana

Bella Suzano – Entrevista Mãe da Semana

Uau, ser surpreendida por um convite como esse, ainda mais vindo de você, Re Costa, pessoa a qual sou fã desde que me tornei parte desse grupo incrível, não tem preço! Fico ainda mais feliz em poder contar um pouquinho da minha trajetória e como cheguei até aqui, depois de muita luta e sofrimento, cá estou: FELIZ, COM 2 RIQUEZAS QUE ME COMPLETAM, EMPRESARIA E DIVORCIADA!!!

Bem, quando me casei, escolhi a dedo o meu parceiro. Naquela época, há 20 anos atrás, nem me preocupava como pagaria as contas, se tinha casa própria ou não ou como seria nossa vida dali em diante. O que tinha em mente era, quero casar na igreja e ter filhos com esse homem. Homem da minha vida, lindo, forte, surfista profissional!!! Imatura? SIMMMMM E MUITO, mas naquela época era o meu sonho. Passaram -se 4 meses da nossa decisão, já estava eu casando na igreja, fui morar na praia, para facilitar a vida dele, pois o surf era sua profissão. E o meu preço para ter o pezinho na areia, nos finais de semana, era trabalhar em SP. Fazia diariamente o trajeto Guarujá X SP X Guarujá. Isso por 4 longos anos, quando descobri que estava grávida. Nessa época, ainda trabalhava com eventos e estava em Campos do Jordão. Como todos sabem, essa é uma das profissões mais lokas que já existiu. No meio do evento, tive uma ameaça de aborto, que me fez ficar os 9 meses de cama, quase surtei!!! Foi ai que decidi fazer o que realmente amava, mexer com beleza, com cabelos, com a autoestima de uma mulher. Mostrar a mim mesma que, mesmo naquela situação, que tudo nessa vida tem saída, principalmente quando nos cuidamos! Como meus pais sempre mexeram com cosméticos e tudo ligado a beleza, foi a deixa para continuar a fazer o que estava no sangue. Comecei a trabalhar de casa mesmo e fazia alguns atendimentos fora também.

Rafa, de 10 anos, nasceu de 8 meses, praticamente na travessia do Guarujá a Santos, mas muito saudável! Ganhou peso nos primeiros meses e hoje e uma criança cheia de vida e saúde.

Logo depois do nascimento dela, vendemos tudo o que tínhamos na vida e resolvemos ir para os EUA, onde toda minha família estava morando. Porém mais um desafio tivemos que enfrentar…o visto do meu ex marido, não foi aprovado!  Com isso, voltamos a SP, com uma mão na frente outra atrás e com uma bb de 9 meses. Ambos sem emprego, sem rumo total!

Moramos por 6 meses na casa do meu pai, onde pudemos nos levantar e cada um buscar uma oportunidade de emprego. Graças a deus em 1 ano já estávamos recolocados e com a nossa casinha.

Trabalhei por muitos anos na área de eventos, passei por lugares incríveis e criei a Rafa entre os aeroportos da vida!

Em 2011 já não estava satisfeita com nada, nem marido, nem profissão…NÃO ESTAVA FELIZ, simples assim!

Minha relação com o meu ex marido, já não era das melhores, por diversos motivos e graves, por isso resolvi, MUDAR, MUDAR RADICALMENTE!

PEDI O DIVORCIO! Se soubesse a dor de cabeça que me daria, teria feito isso antes OU DE UMA OUTRA FORMA!

Foi uma separação muito mais muito dolorosa, tanto para mim, quanto para a Rafa, QUE NA ÉPOCA ESTAVA COM 7 ANOS e sentiu muito! Passaram –se 2 meses, mais um grande desafio, cai em minhas mãos para enfrentar e dessa vez, mais do que sozinha. Descobri que estava grávida da pequena Manuella. Meu deus, quantas coisas se passaram em minha cabeça. Continuo com o pai delas, jogo tudo para cima, enfrento sozinha??? O que fazer? Fiz, me divorciei, tive a Manu sozinha sim e hoje ela é tudo que mais pedi a Deus. A minha força, a minha garra, a minha vida!!!

Conto tudo isso, não para encorajar mulheres que passam pelo mesmo, mas para mostrar que podemos sim, que mesmo sozinhas, somos mulheres fortes e que podemos enfrentar o que for e da forma que vier! Batemos no peito e sempre sai um GOLAÇO!

Eu juro que tentei ser a mulher, mãe, amiga e tudo o que uma família precisava. Porem senti que no meio do caminho, tudo estava em meu nome, só eu eu eu e eu…totalmente diferente do que defendi quando disse o SIM, na igreja!

Tentei por mil vezes, mudar, reciclar, mas senti que ali não dava mais não! Então optei em me fazer feliz e ver minhas filhas felizes também.

E hoje posso dizer que, após 3 longos e dolorosos anos, eu e meu ex, não temos uma boa relação, mas minhas filhas, amam o pai, eu as  incentivo ficarem com ele sim e elas estão felizes, isso para mim já basta!

Com relação ao meu coração e a minha felicidade, isso vem com o tempo. Já me sinto realizada ao cubo por ter saúde para trabalhar muito se preciso e ver o crescimento das minhas pequenas. Fora que, estou mais do que realizada profissionalmente, isso me enche de orgulho. Hoje tenho um negócio, que é meu ganha pão e que faço daqui, um cantinho feliz que faz diariamente outras mulheres felizes também. Mesmo sem saber suas historias, tenho certeza, que farei parte dela, de alguma forma e de uma forma bem positiva. Hoje faço o que mais AMO, que é mexer com o ego das mulheres, trazer o sorriso perdido de cada uma de volta e fazer transformações. Isso me fortifica e me encoraja a ser uma pessoa ainda melhor e mega feliz!!!

Emocionada? Quase nada, MORRI de chorar, a cada linha que escrevi acima!!! Mesmo não entrando nos detalhes, o que fica guardado quando remoído ou lembrado, machuca levemente. O que mais me deixa feliz e que estou muito mais forte do que nunca!!!!

 

 

Eu era: Feliz e não sabia! Antecipei alguns fatos, que podiam ter sido mais amadurecidos…

Depois da maternidade eu sou: a Mulher mais realizada de todos os tempos, EVER! Sonho realizado, sempre quis ser mãe, tenho esse dom!

Como descobriu a primeira gravidez: foi muito planejada, através de um exame de sangue

Pretende ter outros:  Depois da Manu? Não…

Só se for com um homem muitooooooo rico e que me encha de amor. Se não encontrar esse príncipe, filhos só em outra encarnação rsrsr

Trabalha: Muitoooooo! Fazendo o que mais AMO…

Em caso positivo, onde ficam as crianças: INTEGRAL NA ESCOLA

Por que optou por isso: por que não se fazem mais babas como antigamente. Fora que na escola o desenvolvimento é mais rápido e as crianças brincam com crianças

Melhor distração: Treino funcional e meu samba, que amo de paixão

Icone: Meu pai! Esse sim me inspirou e ensinou a viver para a vida e a ser pai e mãe num corpo só!

Ser feliz é: Estar feliz consigo mesmo!

O maior sonho: Ver minhas filhas felizes e formadas. Encaminhadas para enfrentar esse mundão…

Horas de sono por noite: 3 horas….tudo culpa do 4 maes ahahahah AMOOOOOO ganhar horas com vocês, AMOOOOOOO! Depois que abri o BBL, trabalho durante o dia e a partir das 22h me coloco a disposição para tirar duvidas e passar orientações. Fora isso, faço cursos a distancia para aprimorar o meu trabalho e trazer ainda mais novidades as minhas clientes

Uma dica para as futuras mães: Sejam ainda mais fortes do que somos! Nunca na vida, deixem de se cuidar…filho e marido podem esperar sim!!! SEMPRE LINDAS, e lindas para vocês!

Uma receita infalível para os pequenos: MUITO AMOR, COMPREENSÃO E ATENÇÃO! Juro que tento rsrsr

A viagem perfeita com os pequenos: Ainda não tivemos essa oportunidade…mas estamos planejando para que seja em breve, e é claro a Disney!

Bella X Bella: Nossa, acho que essa foi a mais difícil…

A verdade é que as vezes nem eu mesma me aguento! rsrsrs

Sei das minhas maiores qualidades e a pouco tempo, venho a cada dia, descobrindo meus defeitos, que são muitos também.

Não quero ser a mulher perfeita não, mesmo por que, ninguém consegue. Já me dou por contente em ser feliz, forte e guerreira, mas sempre faltará algo, sempre!

Quero fazer o bem, para sempre receber o bem! Quero derrubar minha alegria, onde eu passar, seja para os tristes, invejosos ou para aqueles que já a possuem, mas que não hesitariam em receber um pouco mais!

 bella-suzano-3 bella-suzano-2 bella-suzano-1

categorias: Mãe da Semana

Tita Nicastro – Entrevista Mãe da semana

Um dia desses abri um inbox da Rê, perguntando se eu toparia ser a mãe da semana. Fiquei feliz com o convite e comecei a pensar no que escreveria… como é difícil falar da gente, né? Mesmo diante dessa dificuldade, topei.

Vou começar então falando que sou filha de um gaúcho arretado com uma paraense trilegal que cresceu no Ceará. Meu pai saiu do Sul, rumo ao Nordeste, casou com minha mãe e a trouxe pra São Paulo, de onde não mais saíram e aqui fizeram nossa família. Meu pai é um comissário de bordo aposentado, voou por 33 anos. Minha mãe sempre trabalhou muito também, tão quanto ou até mais do que meu pai, pois ela cuidava da casa e das filhas e o seu trabalho era dobrado nos dias de ausência do meu pai.

Era somente uma ausência física, porque nunca me faltou carinho, atenção e amor, mesmo com um oceano nos separando. Era uma alegria chegar da escola e ter que procurá-lo pela casa. Mesmo cansado e com fuso horário na cabeça, arrumava tempo pra brincar comigo.

Tive uma infância muito feliz. Brincava na rua até tarde, jogava queimada, brincava de polícia e ladrão… coisas que as crianças de hoje não farão, infelizmente. Na escola, e mais tarde na faculdade, fiz amizades lindas, que estão comigo até hoje e alguns amigos inclusive foram promovidos a parentes, fazem parte da minha família.

Fiz faculdade de Ciências Biológicas com Licenciatura Plena. Então juntei minhas duas paixões e hoje sou professora de Ciências. É a profissão mais linda do mundo e não me vejo fazendo outra coisa na vida, embora esteja cada dia mais difícil lidar com os obstáculos que encontro nesse meu caminho profissional, principalmente na esfera do ensino público estadual. É mais fácil enfrentar essas dificuldades quando você percebe que orientar para a vida é mais importante do que ensinar Ciências e que “perder” uma ou duas aulas falando de valores e respeito é, na verdade, um ganho.

No final da adolescência, conheci meu marido na balada de aniversário de uma amiga. Eu tinha acabado de completar 18 anos. Hoje estou com 37, então tenho a companhia dele por mais da metade da minha vida. Dá pra ter uma idéia do tanto de histórias que temos pra contar, principalmente depois da chegada dos nossos filhos: João Victor (8 anos) e Pedro (3anos), nossas maiores riquezas. Dois meninos completamente diferentes, fisicamente e de gênio, mas ambos com uma essência linda, são meninos bons. Depois da chegada desses príncipes foi que eu percebi sentido na minha vida. Desde então, eu respiro eles.

Eu era: moleca, imatura, insegura, organizada, rueira (não parava em casa).

Depois da maternidade, eu sou: determinada, forte, segura, rueira, mas a minha vida social se tornou um complemento da vida social das crianças, sigo a agenda deles, rs. E abençoada demais, por ser mãe desses lindões.

Como descobriu a primeira gravidez: Estávamos planejando, então desconfiei que estava grávida quando a menstruação atrasou e vieram as dores nos seios. Confirmei com um exame de sangue. Inexplicável a emoção. Um dia antes de descobrir, passei mal com o cheiro de carne. Eu? Carnívora, que ama comer? Acho que nem precisava do Beta pra constatar a gravidez.

E a segunda: Também foi planejada. No dia em que descobri a gravidez, através de um teste de farmácia, o João me acordou falando que havia sonhado com um presente de aniversário: dois peixinhos, sendo um azul e um verde. O bebê nasceria no mês do aniversário do João e então encuquei com isso, achando que estava grávida de gêmeos. Ao fazer a primeira ultrassonografia, lá estavam os dois peixinhos do João. Apesar de não conseguir acreditar e sair do laboratório com as pernas tremendo, mal conseguindo andar, já estava me sentindo a melhor mãe de três do mundo. Infelizmente um dos peixinhos parou de se desenvolver ainda no começo da gravidez. Foi o momento mais difícil que vivi. Perder um bebê já é algo dificílimo de lidar. Agora imagine o que é perder um bebê e ter outro ali se desenvolvendo bem, saudável mas que não te permite viver o luto… Graças a Deus o que aconteceu não impediu o desenvolvimento do meu Pedroca e hoje entendo o motivo disso ter acontecido… este menino vale por dois!

Pretende ter outros: Justamente por ter passado por tudo isso, tinha vontade de ter mais um filho, mas essa vontade passou logo quando o Pedro nasceu e junto veio a depressão pós parto. Hoje sou super realizada e completa.

Trabalha: Sim, leciono Ciências. Além disso, tenho o segundo e o terceiro turno em casa para dar conta.

Em caso positivo, onde ficam as crianças: Na escola, pois trabalho no período de aula das crianças.

Por que optou por isso: Eles estão em idade escolar, mas entraram cedo na escola, no berçário, pois acredito que a criança deve receber os estímulos adequados e principalmente socializar, interagir com outras crianças da mesma idade.

Melhor distração: a corrida! Quando eu estava no auge do sobrepeso e da depressão pós parto, amigos me botaram pra correr, literalmente. E através da corrida, aprendi a importância de se ter um tempo pra você. Sem a corrida, não sei como eu estaria dando conta de tudo que carrego nas costas. E aprendi que a corrida é um esporte coletivo. Não é apenas um esporte de superação e metas. Estar com as amigas é a parte mais gostosa dos treinos e provas. Mas o principal apoio que recebi foi do marido, que sempre segurou as pontas com as crianças pra eu sair pra correr, sozinha ou com as amigas, sempre me incentivou e vibrou com cada medalha conquistada, com cada número a menos na balança.

Ícone: minha avó Lucy, que foi uma mãe maravilhosa, mas se superou como avó. Nunca a vi chorar, sempre a vi sorrir, mesmo diante das maiores dificuldades. Minha mãe herdou isso da minha vó, então coloco ela aqui também. Essa é uma característica que eu gostaria de ter herdado.

Ser feliz é: olhar pra tudo o que você tem e agradecer, ao mesmo tempo em que olha para o sucesso dos outros e aplaude. Se você não consegue ficar feliz com a felicidade do outro, tem algo errado na sua vida.

O maior sonho: Já realizei o maior de todos, me tornando mãe. Tenho vários sonhos para realizar e um deles é passar um natal em NY com minha família. Foi muito mágico pra mim e quero muito que meus filhos vivam isso.

Horas de sono por noite: Cinco, no máximo seis horas.

Uma dica para as futuras mães: Sim, vocês errarão muito. Farão escolhas erradas, vão se decepcionar algumas vezes, por planejar de um jeito e ver acontecer de outro. Quando isso acontecer, pensem que erraram tentando acertar, por acreditarem que aquilo era o melhor para seu filho. E confiem no instinto materno.

Uma receita infalível para os pequenos: “mamãe morde-e-assopra”: criança tem que ter limite, tem que entender desde cedo que em todo o lugar que ele vá, existem regras a serem seguidas e que, se não as seguir, existem as consequências. Mas não tem como a criança aprender isso sem afeto, sem amor, sem carinho.

Um programa inesquecível: Sei que posso sofrer bullying por causa desta resposta, mas nunca me esquecerei do show do New Kids On The Block, que fui em 2012, kkkkkkk. Eu sei, troféu maturidade pra mim, mas tô nem aí… fui uma adolescente frustrada por ser fã incondicional dessa boyband e nunca ter ido a um show deles. Quase 21 anos depois da ultima vinda deles pro Brasil, lá estava eu, balzaquiana, na fila do show, com direito a bandana e camiseta.

A viagem perfeita com os pequenos: Fortaleza, 2012. Tínhamos acabado de passar por uma grande perda na família, com o falecimento da minha sogra. A viagem estava programada e seria a comemoração do aniversário de seis anos do João e do primeiro aninho do Pedro. Chegamos em Fortaleza e minha amada família que lá mora nos recebeu de braços abertos, nos dando todo o carinho e apoio que estávamos precisando. Minha família amparou o meu marido, fez uma festa linda de aniversário para os meus filhotes e recebeu os padrinhos dos meninos. Voltamos este ano para lá e ficamos 1 mês, sem tristeza, aproveitamos muito e levei meus pais comigo. Mas a viagem de 2012 foi inesquecível.

Tita X Tita: teimosa, ansiosa, resistente à mudanças, muita dificuldade em lidar com o novo e não evoluída a ponto de não guardar mágoas. Eu até passo por cima e toco a vida, mas guardo aquilo e sofro com isso. Mas também, me decepciono uma vez só. Entre minhas qualidades, destaco o bom humor, lealdade e senso de justiça. Não meço esforços para defender os que eu amo. Pise no meu calo, mas não mexa com os meus.

tita-nicastro5 tita-nicastro-8 tita-nicastro-7 tita-nicastro-6 tita-nicastro-3 tita-nicastro-1

categorias: Mãe da Semana

Neizi Magalhães – Entrevista Mãe da semana

E ai uma janelinha do messenger piscou, era da Renata me convidando pra ser a mãe da semana!

Em um primeiro momento pensei, será? Nem sou muito conhecida la, embora seja bastante ativa..ai depois pensei, “ahh quer saber, quem não conhecer, fica conhecendo” rsrssr

Então, aqui estamos! Pra quem ainda não me conhece, nasci em Minas Gerais, mas com 3 anos vim morar com os meus tios, que são meus pais de criação..minha primeira infancia foi um pouco atipica, minha mãe biológica não me quis desde a gravidez e ai sabe aquela historia de não quer, então tem quem queira, ou que Deus fecha uma porta,mas sempre abre uma janela? Isso serve pra tudo na vida, pode se pensar, que triste ser rejeitada pela própria mãe, ja eu vejo por outro angulo, fui adotada por duas pessoas maravilhosas que me deram tudo, desde material, educação, valores, principios, etc..eu cheguei em São Paulo, na casa deles, em 03 de outubro de 1988. Eu não tinha um dente de leite que não estivesse careado, minha pisada era toda torta por conta dos bichos de pé que eu tinha, meu cabelo era queimado do sol e duro por passar semanas sem banho e a cada xixi na cama eu chorava copiosamente encolhida em posição fetal e implorava para que eles não me batessem, de tamanho trauma que eu cheguei…mas isso são aguas passadas e muito bem resolvidas…se eu tenho raiva da minha mãe biológica? Não, simplesmente não tenho nenhum sentimento por ela, nenhuma ligação

Vocês querem saber como conheci meu marido?? marquem a alternativa correta

a) faculdade, afinal nesse ambiente você encontra pessoas com interesses em comum
b) Amigos em comum, claro, um apresenta ao outro, sorriso aqui, um olhar ali..
c) Lual na praia, aquela brisa, violão
d) Orkut, comunidade “disponiveis no mercado”, naqueles joguinhos toscos você beijaria a pessoa acima?

é, gente, quem marcou D acertou…e foi assim, quero ver eu contar pra minha filha isso…nem vou discorrer muito porque né, derrota total, mas o que importa é que o menino me conquistou de uma tal forma, meses apenas nos falando virtualmente e eu ja era louca por ele, sentia ciumes se a janelinha do msn não piscasse em um sabado a noite, esperava ansiosamente dar 10 horas da noite que era mais barata a internet discada e ali nos falavamos ate a madrugada, ele foi meu ombro amigo chorando pelo ex..e ao vivo foram mais alguns meses saindo praticamente todo fim de semana apenas como amigos..como doeu ve-lo beijar outra garota, como eu chorei por aquele “amigo” e nem fiz questão de disfarçar minha raiva e no dia 05 de março de 2005 ganhei uma declaração que ele não queria mais ser somente meu amigo, que estava apaixonado por mim..e assim nos mantemos apaixonados ha quase 10 anos…alguns periodos essa paixão é mais aparente, outras ela cochila um pouquinho..mas o amor, respeito e carinho um pelo outro estão sempre ali dando suporte na nossa relação…

Acho que falei demais já né? vamos ao questionário!

Eu era: feliz, porém incompleta.


Depois da maternidade, eu sou: completa..tenho a vida que sonhei desde criança, uma casa, marido carinhoso e presente, uma filha linda ( eu sempre me vi mãe de menina), cachorro, gato.


Como descobriu a gravidez: antes do atraso menstrual…na verdade, foi após o tico tico no fubá, fui dormir e umas duas horas depois levantei no maior susto no meio da madrugada acordando meu marido perguntando pra ele quando era meu dia fertil (ahaam que ele ia saber né kkk) corri pro google e bingo, era aquele dia, não tive dúvida sabia que tinha engravidado..corri pra contar pra umas amigas..e dias depois confirmei aquilo que ja estava certo pra mim..lembro quando vi aqueles dois risquinhos ali..não contei pro meu marido, queria fazer o de sangue ainda..mas sai na rua e tinha vontade de sair abraçando todo mundo e falar TO GRAVIDA!!!


Pretende ter outros: tem dias que quero muito e tem dias que nem cogito..mas sinto, que ainda terei mais um sim…


Trabalha: muito, em uma grande empresa mãe24horas LTDA rsrsr tenho cargo de chef de cozinha, estilista, medica, psicologa, pedagoga, etc rsrsr


Por que optou por isso: se trabalhasse fora, na idade que ela esta (3 anos) com certeza seria escola integral.


Melhor distração: vai perguntar logo pra uma gordinha? sair pra comer, claro..


Ícone: Vou tomar a liberdade pra colocar no plural..meus Tios (pais adotivos)..a doação deles a mim, o amor dedicado refletem muito no amor que tenho a minha filha.


Ser feliz é: não ser refem do extrato bancário..não colocar o dinheiro como combustivel da felicidade, pra mim ser feliz é ser grato por estar vivo, não que eu não goste de comprar, ou gastar em um momento de lazer com a minha familia..mas sei tb ser feliz se precisar passar um final de semana mais contido..bora pro parque, comer pipoca, colocar um pote de sorvete no meio de nós 3, fazer bolinha de sabão, etc


O maior sonho: poder envelhecer com saude ao lado meu marido e juntos acompanharmos todas as fases da nossa filha.


Horas de sono por noite: de 8 a 10 horas ininterruptas, graça a deus!


Uma dica para as futuras maes: curtam cada fase, não vivam aflitas esperando pela próxima, senão elas passam e depois fica so a sensação de que deveria ter curtido mais…


Uma receita infalível para os pequenos: disciplina..ela é a base de tudo..ela que te garante horas de sono, ela que garante uma boa refeição, ela te alivia de algumas crises de birra..a criança fica muito mais segura quando ela tem uma linha linear a seguir com o apoio de um adulto que pra ele é o modelo..


Um programa inesquecível: ahh essa é facil, a ida pra maternidade rsrsr inesquecivel a primeira vez que fomos apresentadas uma a outra, poder tocar o que antes era tão abstrato.


A viagem perfeita com os pequenos: não viajo muito..mas qualquer momento em novos ares ja é bom…mas ir pra Gramado com ela foi uma delicia..o encanto dela ver onde o papai noel morava valeu toda viagem.


Neizi X Neizi: eita, que essa é dificil..mas uma amiga leal, uma mãe dedicada e uma esposa apaixonada. Tento ser o mais justa possível e isso vem desde que me conheço por gente, por ser filha unica, eu jogava com vários amigos imaginários e não conseguia nem me “roubar” pra levar vantagem, queria me ver brava era jogar roubando um jogo da vida, ou banco imobiliário. Não consigo ficar com troco a mais e detesto a frase “achado não é roubado” prefiro adapta-la ” pra todo achado existe um dono que ira procurar pelo que perdeu”. Sou exigente ( as vezes ate demais) com a educação que dou a minha filha, ela tem Só 3 anos e não tem moleza pra furar fila nos brinquedos, jogar papel de bala no chão, pegar uma boneca perdida no parque..quero ter a certeza que a minha parte eu farei pra que ela seja uma boa cidadã, amiga, pessoa assim como tento ser. Depois que ela nasceu fico mais atenta ainda aos meus comportamentos.

neizi-magalaes-entrevista-4 neizi-magalhaes-entrevista neizi-magalhaes-entrevista-1 neizi-magalhaes-entrevista-3